16/03/2017

O medo da solidão passa!

Sempre foi dos meus maiores pavores... Estar sozinha! Não conseguia lidar com isso. Sofria com isso. Um dia fui obrigada a fazê-lo! E não há nada melhor do que enfrentar aquilo que nos aperta o coração para percebermos o que na realidade significa. É quase como acender a luz do quarto quando somos crianças e percebermos que afinal, a sombra do monstro não passa de um inofensivo casaco pendurado na cadeira. 

A solidão também se transforma quando acendemos a luz. Principalmente a nossa! Percebes que estar sozinho não significa ser só! Aos poucos aprendemos a estar sozinhos, quando menos esperamos passamos a apreciar esses momentos. Não quero exagerar, mas comigo até acontece ansiar esses momentos! E tão bons que eles são!!! Se algum dia eu imaginava dizer isto...

O grande segredo é que estar sozinho pode ser uma opção. Ser só é, muitas vezes, a única alternativa.

Hoje sai da escola e não tinha crianças para ir buscar. Fui por o carro a arranjar as luzes e tive de ficar uma hora sozinha no shopping a fazer tempo. Fui à minha livraria preferida beber um chá, ouvir boa música e relaxar. O prazer que é estarmos connosco a pensar em tudo e em nada, a deixar a música entrar sem mexer muito no intelectual. Ver as pessoas, observá-las, passear no telefone com o Wi-Fi gratuito. A hora passou e eu até tive pena que tivesse passado tão depressa. Aquele momento ali em confronto comigo, com o movimento das pessoas e da música foi realmente reconfortante. Uma sensação de liberdade boa! Saber que podia não ir para casa, podia fazer o que me apetecesse. Não ter de cuidar de nada, não ter de avisar ninguém, não ter de partilhar a opção de ir ou ficar. 

É claro que a sensação de partilhar opções é também deliciosa. Mas juro que é possível gostar de estar sozinho. Preocupa-me apenas que comece a gostar tanto disto que um dia possa não querer abdicar... E isso sim! Assusta-me muito mais neste momento!

4 comentários:

Sónia disse...

Bem, eu estou divorciada há quase 5 meses. Opção minha, mas não menos dolorosa por isso! E a solidão apavora-me! Mais do que a solidão, é o estar sem marido/namorado/companheiro. Há muitos anos que não sei o que é isso, estar só comigo! No entanto, quando a minha filha vai de fim de semana para casa do pai, sabe-me bem ficar sozinha(nunca pensei). Consigo pôr o sono em dia, arrumar a casa, trabalhar um bocadinho em sossego (sou professora, logo o trabalho vem mtas vezes para casa) Mas Kiki, ainda não cheguei aí, o aproveitar a minha própria companhia, a deixar a angústia de lado sempre que vou a um shopping e vejo famílias juntas e felizes (aparentemente, claro). Não vejo a hora de tudo passar, de as minhas angústias e ansiedade acalmarem e de eu poder me sentir verdadeiramente feliz estando solteira! Beijinhos Kiki, gosto muito de a ler.

Anónimo disse...

Bom dia Kiki,
adorei o post, identifiquei-me com o que escreveu.
Eu digo precisamente o mesmo: estar sozinha não é viver em solidão e adoro passar tempo comigo mesma, chego a ter tenho necessidade física.
A minha filha cresceu, entre os amigos, namorado e as idas para o Pai, o tempo em casa diminuiu e eu vi-me sozinha.
Resultado: adoptei um cão.
Por algum tempo sofria de ansiedade por não ter um companheiro (tirando o cão, meu amigo querido) e com o facto de poder vir a não ter, até que um dia aceitei a situação e tudo "encaixou". Não quer dizer que baixei os braços, mas não vivo com esse desconforto.
Tornei-me a minha melhor amiga e passei a gostar bastante da minha companhia. :)
Beijinhos e bom fim de semana!
Quica

Ana disse...


Separei-me a muito pouco tempo... ou melhor o namorado mudou-se para a casa da vizinha(dois prédios abaixo, não propriamente vizinha de porta) :/ Temos uma filha em comum. Quando estou sozinha, porque a menina está com ele, num dia de semana porque está a jantar com ele, pareço uma "barata tonta" pois não sei o que fazer nesse tempo passo o tempo todo a olhar para o relógio a espera que ela venha... Quando calha então o fim-de-semana, é um martírio, sempre na ansiedade que ela venha.
Apenas um desabafo de quem ainda não chegou a esse patamar, de aproveitar o tempo sozinha.
bjs

Ana Leal disse...

Obrigada por este post. O meu relacionamento em que ja viviamos juntos acabou. Eu fiquei e ele saiu. E o medo que eu tenho da solidão? Obrigada pelo ânimo.