26/05/2017

As Educadoras sofrem com os fins...

São 25 filhos que vejo partir. 
São 25 filhos de outras pessoas que fizeram parte dos meus dias nos últimos 3 anos. Passaram mais tempo comigo do que os meus próprios filhos. Passaram mais tempo comigo do que com os próprios pais. 



Aprendi tanto com eles como eles aprenderam comigo. Cresci enquanto pessoa a vê-los crescer. E enquanto educadora também. Tanto!!!

Conheço cada um individualmente pelo cheiro, pelo formato das mãos, pelo traço do desenho, pelo compasso da marcha. 

Juntos rimos, cantámos, chorámos, gritámos. Umas vezes de felicidade, outras vezes de fúria. Fizemos silêncios de amor, silêncios de cansaço, silêncios de fé, silêncios de birra, silêncios de cumplicidade. 

Vi-os largar as chupetas, largar as fraldas, largar os ó-ós e largar as inseguranças. 

Vi-os a superar os medos, as dificuldades e as conquistas. Uma por uma! Algumas fáceis, outras difíceis. Vi-lhes as gotas de sangue e de suor. Vi-lhes os sorrisos e ouvi-lhes as gargalhadas. Vi-os conquistar o Mundo deles. E muitas foram as vezes em que fechei os olhos para não ver.  Porque sabia que estavam a crescer, a aprender e que em algumas alturas tinham de o fazer sozinhos. 

Curei-lhes feridas físicas e feridas do coração. E eles, fizeram o mesmo comigo. Muitos abraços que lhes dei, eram abraços que roubava para mim. 

Está quase a acabar... Eu com eles... E eles estão quase a começar! São 25 filhos que vejo voar do meu ninho e que espero tanto quanto aos meus filhos que sejam felizes e que conquistem o Mundo! 

E que um dia, quando pensarem na Educadora deles, se lembrem de todas as vezes que lhes disse que os adorava e de todas as vezes que tentei fazê-los felizes. 

Adoro-vos!!!


25/05/2017

E eu só queria um fato-banho!

Não me apetece bikinis... Apetece-me zero mostrar a barriga... Tenho alguns fatos-de-banho do ano passado mas estão enormes... 
Fui em busca. Fui em busca de algo que pensei ser fácil. Um fato-de-banho. Liso ou não... Com alças ou não... talvez um folho ou dois... ou não! Eu achava que não estava a ser exigente. Mas na realidade uma Odisseia me aguardava. Uma Odisseia quase tão tortuosa quanto a de Ulisses... E o pior é que não vejo Ítaca ao fundo. 



Eu não sou gorda! Mas também não possuo o corpo da Sara Sampaio. 
Não sou nenhuma adolescente, mas também não estou a chegar ao fim do prazo de validade. 
Não sou extremamente conservadora, mas também não sou propriamente avant-garde. 

Vamos lá ver! 35 anos, mãe de família, moderninha QB, 36 de calças mas com alguma flacidez... Não me parece que o meu perfil seja assim tão raro... 

Ah..... Mas fatos-de-banho para ti... Não há!!! 

Eu só queria um fato-de-banho que não fizesse da área geográfica do meu pipi uma plantação de ananáses! 

Eu só queria um fato-de-banho que não me levasse metade do ordenado. 

Eu só queria um fato-de-banho que não fizesse de mim uma Área Protegida de Flamingos. 

Eu só queria um fato-de-banho cujas rachas das coxas não fossem abertas até às costelas. 

Eu só queria um fato-de-banho que não desprotegesse o mamaçal com decotes até Aveiras de Baixo. 

Mas também não queria com golinha até aos queixos porra! 

Eu só queria um fato-de-banho que não me transformasse num cenário de floresta tropical! 

Eu só queria um fato-de-banho que conjugasse menos de 3 padrões diferentes e que não envergasse folhos em cima, em baixo, na lateral e à rectaguarda!!! 

Ou vá... Um fato-de-banho cujo apoio traseiro apoiasse verdadeiramente o traseiro e não se escondesse dentro da trincheira. 

Não sei!.. Devo estar a ser demasiado exigente... Ou demasiado pobre... Ou demasiado chata!!! 

Era só assim uma cena que tapasse mamas, tapasse rabo e não envolvesse a Natureza em forma de fauna nem de flora. 




23/05/2017

Palavras que não me saem da cabeça!

Ontem foi dia de Karaté. Já lá estão há quase um mês. No fim da aula, mandei-os para os balneários para poder falar com o mestre.

- Então Mestre? O que acha?
- A sua filha... Como dizer? A forma como levanta a perna. Como se move. Se ela quiser e se empenhar, vai muito longe! Quando ela luta, parece uma dança!!!



Quando ela luta, parece uma dança!



Vim para casa a repetir estas palavras na minha cabeça. A explodir do orgulho!
E eu que imaginava uma filha bailarina... Tenho uma lutadora que luta a dançar!

Uma corrida contra o tempo chamada Maria Antónia

Eu e os animais... Os animais e eu... 

É mais forte que eu! 
Na 6ª feira passada apareceu-me um labrador preto ao pé do carro. Não tinha coleira... Não podia deixá-lo ali! Só pensava no meu! E em como queria que alguém o apanhasse e procurasse desesperadamente por mim. Além de que agora é obrigatório por lei socorrer os animais. 
Lá o enfiei no carro e fomos à Esquadra da PSP fazer a leitura do chip. Felizmente apareceu o dono do cão enquanto o Agente lia o chip de identificação. Foi o salvamento mais rápido de toda a história de cães perdidos. 

Hoje apareceu a Maria Antónia caída ao pé de um canteiro. Mal se mexia... Uma colega agarrou-a pensando que já não teria vida. Mas tinha! Os olhos ainda fechados. O cordão umbilical ainda agarrado. Miava de fome e de saudades da mãe. O que fazer? 

Voltámos a pô-la no canteiro à espera que a mãe a viesse buscar. Não veio. Um calor brutal! Não a podíamos deixar ali. 

Liguei para a Fundação São Francisco de Assis em Cascais a pedir ajuda! 

- Traga-a por favor! 

A sério? Que descanso!!! Já estava a ver a minha vida a andar para trás... Como é que eu ia alimentá-la??? E se morresse??? Eu não ia aguentar... Foi uma benção que me caiu do céu. 

Meti a Maria Antónia numa caixa e enfiei-a no carro. 



Parecia que ia numa corrida contra o tempo. Tão pequenina... Tão frágil! Um calor de morte... Não se respirava no meu carro. 

Enquanto guiava olhava constantemente para ela à procura de sinais de vida. 

- Não morras aqui! Por favor não morras aqui!!! 

Chegámos à Associação e já lá estava uma pessoa à espera da Maria Antónia. Levou-a para casa para poder alimenta-lá de 2h em 2h. 



Está bem entregue. E muito bem entregue. Agora é rezar para que tudo corra bem e para que a Maria Antónia cresça e encontre uma casa que cuide dela para sempre. 

16/05/2017

Que dia...

Acordar às 7:00 da manhã e começar logo com mensagens e telefonemas. Voar para a banheira e atirar um "Bom dia! Vamos começar a acordar!" para dentro do quarto deles. 
Sair de casa pouco depois das 8:00 depois de ter feito lancheiras, pequenos-almoços, passeado o cão e ter respondido a dois e-mails urgentes. 

Voar para a escola com mil coisas na cabeça. Tentar responder a dúvidas existenciais dos meus filhos, embora a vontade seja mandá-los calar! É demasiado cedo para suposições sobre a vida. 

Tomar o pequeno-almoço a correr no café. Enquanto tento fazer uma lista mental de tudo o que vai acontecer ao longo do dia. Revejo o dia anterior. Suspiro e acabo a meia-de-leite. 

Vou a voar para a escola. Sei bem o dia que vai ser. Ensaios e preparativos para um espectáculo. Mil problemas na cabeça e situações que têm de ser resolvidas rapidamente. 

A hora do almoço serve para fazer telefonemas, mandar e-mails e mensagens. Rascunhar um post. Ah! E comer. Um café a correr com um calor horroroso. Tenho a roupa colada ao corpo. 

Siga para a segunda parte do dia. De novo ensaios. Cortes, colagens e pinturas. Uns abraços pelo meio e uns ralhetes também. Que quando se trabalha com gente, às vezes é preciso parar e deixar a produtividade para segundo plano. As emoções estão à flor da pele. O cansaço começa a acusar. Uma colega vem agradecer-me um favor. Dá-me um abraço rápido e eu acabo por raptar o abraço dela. Agarro-me com força e pouso a cabeça no seu ombro. Ela achou que estava maluca. Mas estava mesmo a precisar daquilo. Às vezes faz falta um abraço de pessoas maiores que nós. 

A tarde passa a voar. Saio atrasada para os apanhar. 

Deixo-os no Karaté e olho para o relógio. Tenho dois telefonemas importantes para fazer, ir ao supermercado, passar em casa a deixar as compras e apanhar o cão. E-mails para acabar e informações para confirmar. Tenho uma hora! É melhor despachar-me. 

Consigo chegar ao Karaté a tempo de ver os últimos 5 minutos. Eles estão esfomeados e eu preciso parar 5 minutos. Sentamo-nos no passeio. 

Chegamos a casa, mando-os para o banho. Ponho o jantar a fazer e dou uma aspiradela na sala. 
Claro que no meio tenho de dar dois  berros. Seja para desligarem a água ou para pararem de implicar um com o outro. 

Se calhar ainda dá para fazer uma máquina de roupa. Vou a correr buscar a roupa e meto-a na máquina. 

Jantamos. Eles meio zombies... Eu, idem! 

Vou passear o cão e meter as crianças na cama. 

Volto para a cozinha. Arrumo a loiça, lavo o fogão. Percebo que a roupa está lavada. 

Ou estendo agora a roupa, ou só amanhã à noite!... Inspiro fundo e lá vou eu para a última ronda. Tem de ser!

São quase 23:00. Não sinto o corpo. A alma está dorida. Há dias em que é difícil fazer tudo sozinha. Atiro-me para o sofá e não sei bem o que me apetece. Faço uma revista ao meu dia. Acabo por fazer o mesmo à vida. 

De hoje, só guardo a falta de ar e a pressa com que andei o dia inteiro. 

Apetecia-me apanhar um avião para uma praia onde não houvesse telefone, nem barulho, nem pessoas. Só praia! Sol! Comida e silêncio. Mas já sei que amanhã me arrependia e ia querer voltar. 


Nem sempre é fácil, mas felizmente é só às vezes. 

Aquele momento épico!

Em que cruzas olhar com ela. 
Abres o teu sorriso. 
Soltas um "Olá!" 
E assim que ela te corresponde com um "Olá!" e um sorriso de volta... 

Tu pensas... "WTF! Quem és tu?" 

Então e desporto?

Os meus filhos andavam a pedir para fazerem um desporto. 

Acho importantíssimo! Não só pela parte física em si, mas também para poderem fazer amigos fora do colégio. Para terem outras figuras de autoridade que não sejam os pais ou os professores. 

O desporto é importante para estabelecer regras, rotinas, para espairecerem a cabeça de forma saudável. Para aprenderem mais sobre eles próprios e sobre as suas capacidades. Para trabalharem a resiliência e estimularem a capacidade de superação. 

O médico sugeriu que o Vicente fizesse alguma arte marcial para trabalhar também a concentração e a auto-estima. 

Confesso que não percebo nada de artes marciais... Foram para o Karaté. Depois de uma aula de experiência que adoraram. 



E como não vivem um sem o outro (apesar das implocâncias normais de irmãos), quiseram mais uma vez ir juntos para a mesma aula. 



Pareço um burro a olhar para um palácio a ve-los na aula! O Mestre impõe respeito! Ao mesmo tempo dá-lhes mimo. E isso descansa-me! Porque os vejo empenhados, a quererem aprender, a reproduzirem aqueles termos japoneses (que não sei como conseguem decorar), a porem as mãos e os braços na posição certa. 

Sobretudo a divertirem-se! 

No fim da aula, cheios de fome, felizes, e cansados, cansadamente felizes, sentamo-nos no jardim a conversar sobre o que aprenderam e a comerem um lanche saudável para reporem energias. 



E mais uma vez, os Palitos de Queijo d'A Vaca que ri, se juntam aos momentos da nossa Família. 


15/05/2017

E a ti? O que é que te salva?

Quando está tudo mal, o que é que te salva? 

Salva teres uma família espectacular. 

Salva olhares para os teus filhos enquanto eles dão um abraço sem saberem que estás a ver. 

Salva ter aquelas amigas que sabes que não se vão embora. 

Salva ir à varanda fumar para esconderes as lágrimas de cansaço aos teus filhos e perceberes que está uma noite espectacular. 

Também salva ver que este dia está, finalmente, a chegar ao fim e que amanhã será melhor. 

Acima de tudo, salva saberes que estão todos com saúde! E que mesmo que não estejamos na mesma casa, estamos todos no pensamento uns dos outros. 

14/05/2017

A 13 de Maio

A treze de Maio
Na Cova da Iria,
Apareceu brilhando
A Virgem Maria.

Avé, Avé, Avé Maria!
Avé, Avé, Avé Maria!

A Virgem Maria
Cercada de luz,
Viu o Papa rezando
À Mãe de Jesus.

Foi aos pastorinhos,
Que a Virgem falou,
E o Vaticano,
Os canonizou.

Com doces palavras,
O Salvador a cantar,
Arrasou Kiev,
Para nos salvar.

Mas jamais esqueçam,
Nossos corações,
Portugal fez história,
Em todas as nações.

Queridos filhos!

A mãe está tão orgulhosa em poder mostrar-vos este Portugal! 

Em mostrar-vos que em Portugal existe um Cristiano Ronaldo, em mostrar-vos que em Portugal existe um Salvador Sobral. 

Mas vamos acalmar, sim? 

Em Portugal não ganhamos o campeonato Europeu sempre. 
Em Portugal não recebemos o Papa sempre. 
Em Portugal não ganhamos o Festival da Canção sempre. 
Em Portugal não canonizamos Pastorinhos sempre. 
A parte boa é que também não é sempre o benfica a ganhar, mas isso vocês também não sabem ainda. 

Mas o que vos queria dizer mesmo era o seguinte... 
Podemos não ganhar sempre, mas suamos e choramos e acreditamos até à última. Sempre! 
Podemos não chegar lá sempre, mas quando chegamos, somos isto que viram ontem! Um nobre povo unido, orgulhoso. Uma nação valente e imortal! Somos isto!  Somos o Cristiano, somos Nossa Senhora, somos Salvador e somos D. Afonso Henriques. Tudo num só! Com um coração que bate ao ritmo das lágrimas que caem. 

Mas também estamos habituados a não chegar lá. Também estamos habituados a não ganhar. E isso nunca nos desanimou. Isso nunca nos venceu. E é isso que quero que entendam. 

Não ganhamos sempre! Mas não desistimos nunca! E essa é a cor do sangue lusitano que quero que vos corra nas veias. 


11/05/2017

As minhas 5ªs feiras!

Eles vão para o pai! Saio leve e solta da escola sem ter de os apanhar no colégio. Ah coisa boa!!! É uma leveza. 

Experimentar o supermercado sozinha, não ter horários, guiar em silêncio absoluto ou ouvir uma música no rádio do início ao fim. 

- Aproveitas para ir sair não? 

Muitas vezes sim! Tantas outras não! 
A 5ª feira é o dia da liberdade. É o dia da desresponsabilidade! 

É dia de ir ao shopping. 
Dia de ir andar. 
Dia de ir lanchar com amigas. 
Dia de jantar com um date. 
Dia de cinema. 
Dia de ir para casa. 
Dia de me atirar ao sofá. 
Dia de comer porcarias. 
Dia de não comer nada. 
Dia de lanchar às 19:00. 
Dia de jantar as 22:00. 
Dia de dormir às 21:00. 
Dia de ver filmes. 
Dia de ficar a noite toda no Facebook. 

É dia de ser eu! 
É dia de ser eu sem ser mãe. 
É dia de ser eu como eu quiser. 
É dia de ser tudo!
Menos de ser mãe. 

E deixar de ser mãe de vez em quando, faz-me ser muito melhor mãe nos outros dias. 

Adoro as minhas 5ªs feiras. 

6ª feira é dia de tomar o pequeno-almoço nas calmas. 

Estou com um problema e não sei como resolver...

Ai Senhor que não sei o que faça..........



Tive um caso tórrido com o Seu Jorge! (Esta noite! [num sonho!])

Só que ele é casado... E eu estou a morrer de culpa... Não sei se hei de ligar à mulher a contar, ou não!! 

E depois ele mandou-me um vídeo para o telefone, antes de eu entrar no avião, a cantar só para mim e agora acordei e não consigo encontrar!!!!!!!!!!!!! 

PS: Não imaginam o constrangimento que é tratar o homem por Seu Jorge no meio de uma intimidade! Seu??? Aquilo vem de Senhor? É que Jorge também não me saía...


10/05/2017

O povo rejubila!

Provavelmente o Salvador não sabe porque não tem idade para isso, mas ontem ele acendeu no povo Português uma enorme nostalgia. E isso é bom porque o vintage está na moda e agora não temos apenas restaurantes e roupa e decoração de outros tempos. Ontem tivemos também sensações e emoções de outros tempos. 



E explicar aos meus filhos a euforia que estava a sentir? 

- Sabem? É que antigamente nós só tínhamos 2 canais de televisão. E nem sequer funcionavam o dia inteiro. 



- E as famílias inteiras juntavam-se à frente da televisão para assistir ao Festival da Canção. Era uma coisa preparada é esperada com ansiedade! 



- Estão a ver uma final europeia de futebol em que a nossa equipa está a jogar? (Esta eles já conhecem!) Era tipo isso!!! 



- E depois aguardávamos ansiosamente a Eurovisão para ver se a nossa música ia à final ou não! E quase nunca ia. Mas ontem foi!!! Percebem??? 



Senhores da televisão!!! Eu tento! Eu esforcei-me muito para eles perceberem que sentimento foi este ontem à noite. Mas sozinha não consigo... Preciso por favor do Eládio Clímaco e da Vera Roquette!!! Preciso dos Jogos Sem Fronteiras e do Brinca Brincando! 




Preciso das maminhas da Tieta e da Viúva Porcina!!! (Sabem a frustração que é perguntar aos meus filhos "estou cerrrrta ou estou errrrrrrrrada?" de punho ao alto e eles acharem que eu estou maluca???) 



Preciso do Gaspar e dos amigos e do Agente Serodio! 



Preciso da Felipa Vácondeus e do bigode do Manuel Luís Goucha!!! 



Façamos as pazes com as Miss'es!!!!!!



EU PRECISO DO MARCO PAULO A CANTAR NO NATAL DOS HOSPITAIS!!!!!!

 

O desespero é tanto que eu estou quase a ir comprar a TV Guia!!!!! 



E mesmo assim, corro o risco de eles não demonstrarem qualquer tipo empatia comigo!!! 

Estamos na final da Eurovisão!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 




*Imagens retiradas da internet 

08/05/2017

O teu filho e o meu cão. E os outros cães todos!

A maioria das crianças que têm medo de cães, não têm porque foram atacadas e por isso ficaram traumatizadas. Têm porque crescem a ouvir os adultos a dizer "não mexas no cão que o cão morde!". Pior... A criança mordeu o irmão e a mãe pergunta "és algum cãozinho?"

Eu também cresci a ouvir dizer que os leões comem pessoas. Se visse um à minha frente, era menina para fazer um cocó na cuequinha e a seguir trepar uma árvore a toda a velocidade. (O que não seria boa ideia, visto que os leões também trepam árvores. Pelo menos, é o que também sempre ouvi dizer.)



Uma coisa é ter medo, outra coisa é ter respeito! E o respeito é algo que temos de ter por tudo o que existe à nossa volta. Vivo ou não! As crianças devem respeitar os pais, os irmãos, os avós, os professores, as pessoas em geral, mas também devem respeitar os seus brinquedos e os seus livros, assim como os brinquedos dos outros e os livros dos outros. E também devem respeitar os amimais. Nomeadamente, os cães. 



E o que é respeitar os cães? 
É eles saberem (porque tu lhes ensinaste) que os cães não gostam que lhes puxem as orelhas! Tu também não gostas, pois não? E os cães não gostam que apareçam de repente por trás e lhes dêm uma sapa na nuca! Tu gostas? Os cães não gostam que as crianças se sentem em cima deles. Tu gostarias? 



Os meus filhos têm 3 cães. Nasceram com cães em casa. Têm todo o à-vontade do Mundo com cães. Se um monstro de 40kgs lhes saltar para lhes fazer uma grande festa e eles forem atirados ao chão, não se importam nada, até agradecem! No entanto... Sabem que os cães desconhecidos não são todos iguais. E por isso sabem que não podem abordar todos os cães da mesma forma. Isso não faz com que tenham medo de cães, apenas faz com que tenham respeito por eles e pelo seu espaço. 

Então, quando o teu filho vir o meu cão sentado numa esplanada e quiser vir fazer uma festinha, diz-lhe que pode vir! Mas primeiro pergunta-me se pode dar uma festinha ao cão. Isso faz com que eu lhe diga que pode fazer à vontade porque ele não faz mal, mas outro dono de outro cão, que sabe do que o seu cão é capaz, pode dizer "é melhor não porque ele não gosta de festas". 



Se o teu filho me perguntar se pode dar uma festinha ao meu cão, isso também vai fazer com que eu previna o cão que um humano que ele não conhece lhe vai tocar. E então eu poderei apresentá-los e pedir ao cão para se sentar e eles poderão interagir de forma saudável. De outra forma, o mais provável é o meu cão atirar-se para cima dele. E não o vai fazer por mal, apenas vai achar que o teu filho não se importa! Só que depois o teu filho vai cair de rabo no chão, vai assustar-se, vai chorar e tu vais achar que a culpa é do meu cão. E não é! Garanto-te! 



Por isso, ensina-lhe o seguinte:

- os cães não mordem! Podem morder! Mas não mordem. Quem morde são os crocodilos, os hipopótamos e os leões. 

- se quer abordar um cão na rua, primeiro pergunta ao dono. 

- se o dono autorizar, ele pode dar-lhe a mão a cheirar antes de lhe fazer uma festa. (Também não ias gostar que um desconhecido te afagasse o cabelo sem teres primeiro um grau de intimidade com ele, pois não? Para o cão, basta uma cheiradela na mão!)

- diz-lhe que o cão não é um boneco de borracha. Puxar as orelhas pode doer, ou no mínimo incomodar. Sentar-se em cima também não é boa ideia! Enfiar-lhe os dedos nos olhos também não é agradável. E dar calduços também não me parece de todo simpático. 

Se seguires estes passos, a criança não vai ter medo, o cão não vai assustar-se e tu vais estar a educar o teu filho de forma saudável. E os donos dos cães nas esplanadas também vão agradecer! 




*Imagens retiradas da internet

07/05/2017

Mãe, vamos lanchar fora?

É dos programas preferidos deles! Desde pequeninos. E lanchar fora, não é ir ao café. "Cafeteria gourmet em bolo do caco" como se diz hoje em dia! Lanchar fora, para eles, é agarrar na lancheira e ir! Ir ao parque, ir à praia, ir aos cavalos, ir ao pinhal, ir ver o pôr-do-sol dentro do carro. E eu adoro que eles adorem estes programas! E vamos! E o Dia da Mãe não foi excepção. Andavam a pedir há imenso tempo para irmos aos cavalos. E fomos!


E quando é assim, temos de ser práticos! Práticos sem deixarmos de ser saudáveis. E por isso, na lancheira, tento sempre ter uma fruta, um hidrato e um lacticínio. 



Os Palitos de Queijo A Vaca Que Ri são uma óptima opção!!! A caixa não podia ser mais prática. Eles divertem-se a comer, eu adoro roubar um palito às crianças e só precisa juntar uma peça de fruta. 



É fundamental que eles percebam que os lanches são importantes. [um dos maiores erros das crianças e adolescentes é saltar refeições, sabiam?] E estes Palitos de Queijo são óptimos para levar no saco da praia, na mochila do liceu ou na lancheira da escola. 


E são uma forma divertida, nutritiva e prática de os por a comer um snack a meio do dia ou da tarde. 




A ti que és tudo isto!

A ti que enjoaste que nem uma louca durante a gravidez! 
A ti que engordaste e viste o teu corpo completamente transformado. 
A ti que falaste com a tua barriga e esperaste ansiosamente por ver a cara desse bebé. 
A ti que foste uma heroína durante o parto. 
A ti que passaste noites sem fim sem dormir. 
A ti que tiveste dores terríveis a dar de mamar. 
A ti que não soubeste o que fazer quando ele chorou. 
A ti que guiaste o teu bebé nos seus primeiros passos. 
A ti que sofreste de ansiedade na primeira vez que te separaste dele. 
A ti que não fugiste durante a birra no supermercado, por muita vontade que tivesses. 
A ti que te emocionaste na festa de Natal da escola. 
A ti que tiveste vontade de morder naquela criancinha que lhe bateu. 
A ti que aplaudes de pé todos os seus sucessos. 
A ti que o vais tapar melhor antes de ires dormir. 
A ti que preparas o melhor jantar mesmo que estejas tão cansada. (E às vezes o melhor jantar é ovos mexidos com salsichas)
A ti que tens sempre o equipamento de ginástica pronto no dia certo. 
A ti que saíste do trabalho a voar para o ir buscar à escola porque estava com febre. 
A ti que o levaste ao parque ao fim do dia mesmo quando estavas de rastos. 
A ti que tens sempre um sorriso e um beijinho mágico quando ele está a sofrer. 
A ti que tens abraços infinitos para lhe dar a qualquer hora do dia. 
A ti que guardas todos os desenhos dele. 
A ti que o ensinaste a andar na bicicleta sem rodinhas. 
A ti que tens sempre resposta para todas as perguntas difíceis e quando não tens, o Google ajuda. 
A ti que vais estar sempre lá mesmo quando ele for crescido e tiver a sua família. 

Era só para te dizer que estás a fazer um excelente trabalho! 

Mesmo quando achas que não. 

Feliz Dia da Mãe 

06/05/2017

Lisboa já não é nossa!

Enquanto estava nos meus tratamentos da celulite em Lisboa, a minha mãe liga-me a dizer que está na Feira da Ladra. 
- Anda ter comigo! 

Para vos situar nos meus conhecimentos da capital... Eu sou do Porto! E embora viva cá em baixo há 24 anos, moro em Cascais! (Para quem não sabe, fica a cerca 26kms) 
Lisboa para mim significa Campo de Ourique (lojas), Estrela (faculdade), Picoas (médico do pipi), e aqueles sítios mais básicos... Baixa, Saldanha, Av de Roma... Por aí! 

- Mãe... Não faço ideia como se vai para aí! 
- Eu mando-te a localização pelo WhatsApp! 

(Ufa! Ainda bem que o WhatsApp não pifou de vez!...) 

(Ufa2! Ainda bem que a minha mãe é moderninha!)

Assim foi... Meti a localização no GPS e deixei-me guiar por uma tipa pela Lisboa desconhecida! 

Meti-me pelo Conde Redondo (prustis) e fui andando por ruas nunca d'antes navegadas! Por mim, claro! 

Fiquei fascinada... Entrei em bairros cheios de gentes do Mundo! Pessoas de todas as cores. Lojas castiças de bairro. Música a sair das janelas das casas. Música árabe, música indiana, pessoas com turbante, mulheres de lenços no cabelo, crianças a brincar nas ruas. Pessoas felizes de sorriso na cara. Pessoas a dançar na rua. Pessoas a acenar a quem passava. Uma Lisboa cheia de sol com cores e cheiros desconhecidos para mim. Achava que só o Martim Moniz é que vibrava dentro desta mistura cultural. 



Chego ao Panteão para apanhar a minha mãe, um café na DeliDelux e seguimos para a A5 pelo Terreiro do Paço e 24 de Julho. Turistas por todo o lado. Tuk-tuks que aparecem de todos os becos. As pessoas estão felizes. Tiram fotografias, olham deslumbradas para todos os cantos como quem quer registar tudo e não esquecer nada. Ah! Conheço a sensação!... Mas confesso que em Lisboa nunca senti. Aquela energia boa de quem está de férias e a ver algo novo pela primeira vez. 

Abri a janela do carro. Acho que a minha mãe e eu éramos as únicas portuguesas no meio de 20.000 pessoas. Ouvia-se espanhol, italiano, francês, inglês, alemão, japonês... 

Os prédios estão renovados. A cidade está bonita! Está linda! Está com pinta de capital europeia. Espero que não a estraguem! Melhorou tanto nos últimos 15 anos. 

E eu andava ali, a observar os turistas e as culturas e os novos habitantes da cidade com o mesmo ar deslumbrado de um turista numa cidade nova. Senti-me orgulhosa por termos aquilo para mostrar a quem nos quer vir ver. 

Lisboa já não é nossa! Lisboa está hipster, está cool, está romântica. Lisboa está cosmopolita. 
Lisboa agora é do Mundo!

03/05/2017

O dia em que o WhatsApp pifou!

O Mundo deparou-se com um crash mundial na comunicação. De repente as pessoas tiveram de tirar os telefones das arrecadações e voltar a conhecer os valores dos selos dos CTT. 



O mais preocupante foi não saber o que levou a esta calamidade Mundial! 

Deixo os meus palpites... 

. O Terço da Joana Vasconcelos ficou preso num cabo de electricidade provocando um curto-circuito nos servidores do WhatsApp. 

. O Trump queria chamar o mordomo, enganou-se e carregou no botão errado porque a franja descolou-se e caiu em cima dos olhos. 

. Independentemente das razões, Marcelo Rebelo de Sousa já está a visitar todos os lares portugueses para dar apoio às pessoas destroçadas. 

. A III GM (está abreviado propositadamente porque nem ouso escrever tais palavras) rebentou e acabaram com o nosso meio de comunicação. Esqueceram-se do Facebook, redes móveis e da vizinha do 6º andar! 

. O Cristiano Ronaldo comprou a empresa e está a mudar o nome para "Então? Que tal?" 

. O Chef Ljubomir esteve a fazer gravações na sede da WhatsApp e a ASAE foi lá hoje à tarde fechar aquela merda! 

Não faço puto de ideia... Mas estou com medo de ter de voltar a decorar números de telefone de pessoas ou de ter que começar a marcar jantares para poder falar com mais do que uma pessoa ao mesmo tempo! 

2ª feira - jantar de família 
3ª feira - jantar de primos 
4ª feira - jantar de colegas 
5ª feira - jantar de amigas
6ª feira - jantar do gym
Sábado - jantar de colegas (mais restrito)
Domingo - jantar de Ex's do António


01/05/2017

Vencedores Pisamonas

Antes de mais, quero agradecer todas as participações. 
Em segundo lugar, agradecer também o facto de terem tornado esta tarefa de escolher os vencedores tão difícil! Que boas participações. Que frases deliciosas. Tantas histórias boas de crianças felizes. Apetecia-me oferecer um par de ténis a cada um!!! 

Infelizmente não é possível e por isso, tive mesmo de escolher dois vencedores. 



Aqui vão eles...

Muitos Parabéns à Catarina Sousa e Melo:

"Um sapato pergunta ao outro,
Para onde é que tu vais,
Um sapato responde ao outro,
À tua frente se não cais!

Com os meus pisamonas nos pés,
Vou a Tróia e vou ao Norte,
a Porto covo e ao Algarve,
E os meu pés estão cheios de sorte! 

Não escorrego nem tenho bolhas,
Salto, corro e faço a roda,
Vou à praia e piso folhas,
Os meus pés estão é na Moda!!"

E Muitos Parabéns ao Filipe Costa:

"Luzes, câmara, acção,
Os ténis Pisamonas são a estrela de qualquer Verão,
Nos pés dos meus filhos eles vão brilhar
E para todo o lado os acompanhar;
No quintal dos avós correrão atrás das galinhas
E em dias de chuva serão salta pocinhas,
No final de um dia na praia terão areia para sacudir
E no acampamento manchas de lama difíceis de sair;
Vão andar juntos em mil e uma aventuras sem parar
E na hora de irem para a cama nem os vão querer descalçar,
Pois com eles nos pés reina sempre o conforto e a alegria
E a oportunidade perfeita de viverem em pleno cada dia!"


Não poderia deixar de dar uma Menção Honrosa à Maria João Ogando Faria pela sua participação cheia de humor e com referência à minha heterónima Bridget Jones:


A grande, a famosa, a melhor Tarte de Frutos Silvestres

Já tinha partilhado aqui a receita. As "mais velhinhas" cá do "bairro" já a viram antes. A pedido de várias famílias e porque eu sou uma mãos largas, cá vai a receita mais desejada do momento! 


Ingredientes
1 pacote de bolacha Maria 
125gr de manteiga (há uns pacotes mais pequenos de uma marca de manteiga que têm exactamente a medida que precisamos!) 
1 lata de leite condensado
1 limão grande 
4 gemas de ovo (as claras podem ser usadas depois para uma omelete por exemplo)
1 frasco de doce de frutos silvestres
Frutos silvestres frescos para pôr por cima, eu costumo usar 2 caixas de framboesas e uma de mirtilos mas cada um pode pôr como gostar mais. 

Pré-aquecer o forno a 180ºC

Triturar a bolacha Maria com a manteiga. (Na Bimby, eu ponho 5 segundos na velocidade 7)

Verter a mistura para dentro de uma forma de tarte e calcar com as mãos para ficar homogénea. Colocar no forno. 

Enquanto a base cose, tratamos do creme. 

Misturar o leite condensado com as 4 gemas e o sumo do limão espremido. 

Tirar a base do forno e espalhar o creme por cima. Voltar a meter no forno durante mais ou menos 10 minutos. (Até começar a fervilhar)

Tirar a tarte do forno e deixar arrefecer. Quando estiver morna/fria, deitar o doce por cima. Dependendo tamanho do frasco e do gosto de cada um, podem não precisar de usar o frasco inteiro. 

No fim, colocar os frutos. 

Podem servir à temperatura ambiente, mas eu gosto fria e costumo meter no frigorífico até servir. 

Bom apetite! 

Lambões!!!
(Depois vou querer saber quantos minutos durou em vossa casa!)

A verdadeira história do nascimento dela

- Sabes que tu não nasceste da mãe?
- Ai não???? Então?
- Tu nasceste em Paris. Eras uma princesa verdadeira mas nós fomos buscar-te porque os teus pais não te queriam! 
- Oh Vicente não inventes!! Tu és mais novo que eu! Como é que me ias buscar? 
- É que na verdade, eu tenho 10 anos. Só que tenho uma doença nas pernas e sou mais pequeno. 
- És mesmo mentiroso! E porque é que estás no 1º ano?
- Porque a mãe me pôs nos pequeninos porque eles eram maiores que eu e assim eles não eram estupidos comigo. 
- Isso é mesmo verdade? 
- Sim! Só eu é que nasci da barriga da mãe. E sabes que antes de te irmos buscar, o pai, a mãe e eu vivíamos num hotel? E era mesmo fixe! Mas depois tivemos de ir para uma casa. 
- Então como é que há fotografias minhas de recém-nascida e sou mesmo igual a mim?
- Foi uma montagem que nós fizemos! 

Continuo a aprender a ser

Ser mãe... Talvez dos papéis mais difíceis que se pode ter na vida. O teste de gravidez é apenas o toque de saída e os 9 meses que se seguem não são nem de perto a preparação para o que nos espera. 
Quanto mais o tempo avança mais complicado se torna. E eu pensei que depois das noites sem dormir e das birras vinha a parte fácil. Ingénua... 

A minha filha foi tocada fisicamente pelas hormonas da adolescência muito cedo! Usa desodorizante desde os 5 anos entre outros sinais que se foram manifestando. Mas estas hormonas invadiram um corpo de criança e uma cabeça de menina pequena. Até aqui, sem mais sinais emocionais aparentes. A caminho dos 9 anos, já começam a aparecer outros. Esses! Os emocionais. 
Respostas mais elaboradas, questões difíceis de responder e reações empertigadas. 
Sinto-a completamente a experimentar esta nova rebeldia! Atira as respostas para o ar e fica a ver a minha reacção com aquele sorriso inocente de quem fez disparate mas quer ganhar o seu próprio espaço. E eu, ao seu lado, tento também descobrir o meu espaço. Tento perceber até onde é que a posso deixar ir. E a linha é tão ténue, que eu própria fico a descobrir até onde é traquinice e a partir de quando é falta de educação. Até onde é brincadeira e a partir de quando é insolência. 
Tem-nos valido o seu poder de encaixe e sentido de humor e a minha estrutura para ouvir determinadas coisas e fingir que não foi comigo. Volta e meia leva um arrebite, um olhar reprovador um pedido para reformular a frase. 
- Oh menina! Vê lá como é que falas!
Até aqui está a resultar. Ela vai experimentando com respeito e eu vou dando espaço ou impondo barreiras conforme vejo que é preciso. 
Não deixa de ser fascinante a forma como estamos ambas a descobrir o espaço de cada uma, mas ao mesmo tempo assustador. Mais uma vez prevalece a insegurança e o sentimento de culpa. Só que agora não é sobre os agasalhos a mais ou a menos que ponho ao bebé, mas sobre a linha de conduta de uma personalidade que se está a formar e a tentar encontrar-se! 

Ninguém disse que ser mãe era fácil. Mas também ninguém avisou o quão fascinante era! 

Espero que entre abraços, gargalhadas e e apertões do gasganete encontremos ambas o caminho certo que nos levará a bom porto.