18/06/2018

Quanto pior mãe sou, mais contente fico!

Avisei claramente antes de entrar no supermercado!

- Vamos ao supermercado! Estão desde já informados que vou comprar coisas que preciso. Escusam de pedir o que quer que seja.

Mas isto foi dentro do carro. Toda a gente sabe que os avisos são guardados naquela caixinha sem fundo, lá naquela parte do cérebro, mal passamos a porta do supermercado.

Cromos para a caderneta, um cachecol de Portugal, uma bola de futebol, iogurtes com smarties, bolachas com pepitas de chocolate... Perdi o fio à meada... Não só pediu coisas (ele, claro! Ela já sabe que nem vale a pena) como pediu coisas de extrema importância para a sua sobrevivência!

- Vais continuar a pedir? Ou ainda não percebeste que vais levar um não a cada pedido que fizeres?
- A mãe nunca nos compra nada! NUNCA!
- Tens toda a razão! Tens uma mãe horrosa! Não há problema nenhum porque vamos já tratar de te arranjar uma mãe muito melhor! Olha! Aquela senhora tem um ar simpático! Vai lá pedir-lhe! Tenho a certeza que te compra tudo o que precisas.
- Mãe...
- Estou a falar a sério! Não mereces uma mãe como eu! Não vais lá tu, vou lá eu! Olhe!!! Desculpe!!! A senhora quer ser mãe do meu filho?

Amuou... Não foi a senhora! Foi ele mesmo. Mas a verdade é que não pediu mais nada até acabarmos as compras.

Chegámos a casa! Calor infernal. (Mas em bom! Não me queixo! Venha o calor! Onde estava ele?) Fomos passear o Darcy. O jantar já estava previsto e eu até já lhes tinha dito que iam para o banho mal chegássemos a casa. De repente mudei de ideias.

- Mãe, pode ser a Gigi a tomar banho primeiro?
- Não! Vão vestir os fatos-de-banho!
- Hã?
- Rápido! Vão vestir os fatos-de-banho!

Fui a voar para a cozinha! Voltei a guardar os bifes de frango no frigorífico! Ovos mexidos, bacon, pão! Uns sumos, uma garrafa de água e um café dentro de um frasco de geleia. Enfiei o fato-de-banho e arranquei-os de casa.




Eram 20:00 quando chegámos à praia. A maior parte das pessoas estavam de saída. Dois casais, uns jogadores de vólei, as palmeiras, os barcos e nós! Tão bom!

Adoro estes programas organizados em cima do joelho! Falava eu em aceitação ontem... Sim! Aceitar o fim de dia maravilhoso que nos é oferecido e arrancar para a praia com uma sanduíche debaixo do braço. Mesmo em dia de aulas. Se morrer amanhã, estas memórias já ninguém lhes tira.

Jogaram à bola, comeram com as mãos, deram mergulhos até as luzes da vila se acenderem. Saímos já de noite e só porque havia aulas no dia seguinte.

Criar-lhes memórias. É tudo o que mais me interessa! Mesmo que, daqui a muitos anos eles se lembrem que a mãe não lhes comprava tudo o que pediam, pelo menos também se vão lembrar que a mãe os levava a jantar na praia. Em dias de aulas. E a dar mergulhos quando as luzes da Vila já estavam acesas.








Sem comentários: