19/02/2018

Vou chamar-lhe Maria

A Maria é uma mulher! Como eu! Como tu! A Maria casou por amor. A Maria acreditou que aquele Amor a ia fazer feliz. Para sempre. Como eu! Como tu! A Maria teve filhos. A Maria dedicou todo o seu amor aos filhos, àquele Amor, àquela família. Como eu! Como tu!

Só que o fado da Maria mudou...

Um dia aquele amor traiu-a. Um dia aquele amor fez a Maria sofrer. Um dia aquele Amor faltou-lhe. Faltou-lhe na consideração que lhe devia. Faltou-lhe no respeito que lhe devia. Faltou-lhe na proteção que lhe devia. Um dia aquele Amor deixou de ser Amor. Aquele Amor passou a ser decepção. Passou a ser medo. Passou a ser falta de respeito e de todo o mínimo de dignidade que um Amor precisa para ser simplesmente Amor.

A Maria desculpou. Porque achava que aquele Amor haveria de mudar. De se transformar em arrependimento. De voltar a ser o Amor que a Maria acreditou que a ia fazer feliz para sempre.

Mas aquele amor que já não era Amor não mudou. Aquele amor destruiu a Maria. Destruiu os seus sonhos. Destruiu a sua auto-estima. Aquele Amor fez a Maria sentir-se infeliz, feia, desmerecedora de respeito, desmerecedora de Amor. Não Maria! Não acredites nisso!!!

Aquele amor disse-lhe coisas que um Amor nunca diria. Aquele amor tratou a Maria como nenhum Amor poderia tratar. Deixou a Maria no chão. Nua de respeito, despida de proteção, vazia de dignidade. Não Maria! Não permitas isso!!!

Mas a Maria foi forte! Foi corajosa. A Maria um dia percebeu que não podia mais viver assim. A Maria percebeu que não podia mais permitir que aquele monstro, disfarçado de amor, continuasse a fazê-la acreditar que o monstro era ela. Um dia a Maria foi tudo aquilo que tem de voltar a ser! Mulher de garra e de força.

E eu só quero dizer a todas as Marias que me escrevem, que ninguém merece este tipo de amor! Quero dizer-lhes que qualquer Mulher neste mundo merece ser amada, merece ser respeitada, merece ser tratada com dignidade, com carinho, com Amor! Quero dizer a todas as Marias que nenhum homem neste planeta tem o direito de lhes roubar os sonhos, de as atirar ao chão, de as esfregar na lama da violência! Vocês são Mulheres! Só isso já é tudo! São lindas! São fortes! São corajosas!

Só quero dizer a todas as Marias que há muitos Homens que vos vão valorizar, respeitar, tratar e amar como se mais nada na Terra fosse mais importante que isso!

Que qualquer homem que vos faça sentir o contrário é mentiroso! É cruel! Cobarde! Fraco! Nojento!

Que o passo de se livrarem desses monstros era só o que precisavam para começarem a caminhar para uma vida feliz, para uma vida de paz, para uma vida de tranquilidade. Sem o medo da hora em que ele chega a casa. Sem o medo do que virá a seguir!

Força Maria! A tua coragem e a tua beleza, o teu bem-estar e a tua tranquilidade são as tuas maiores ferramentas. E os teus maiores objectivos.  Usa-os! Por ti! Pelos teus filhos!

A todas as Marias que me escrevem, sem me conhecer de parte alguma, a confiar (muitas vezes mais do que nas próprias famílias), eu só queria sair pelo e-mail e abraçá-las! Para lhes dar força, para lhes dar mimo, para lhes dar coragem!

Toma um abraço Maria!!!

2 comentários:

Anónimo disse...

olá Kiki,

eu sou uma Maria... mas ainda não fiz o grande passo... ao ler o texto sobre a « Maria» --- sinto-me assim... despida de tudo ... sem forças... pq estou de rastos... falta-me a força para deixar esse não amor para trás de mim....

Anónimo disse...

Não desistem. eu sou uma de muitas "marias". Digam basta. Informem-se e vão APAV ou instituições de apoio à vitima para vos ajudar...a sair disso.
Força. Precisamos de muita força porque é um longo percurso mas é a nossa vida/ saúde que está em causa e vale muito. Quem faz violência psicológica e física não ama, custou muito a perceber isso. A comunicação e os entendidos dizem quem faz uma vez mais cedo ou mais tarde volta a fazer outra, sim, é verdade. É horrível viver assim. Força e precisamos de muita.