14/11/2013

Eu não sou a mãe do Ruca!

Adoro estas gaijas que vêm para aqui arrotar postas de pescada sobre a forma como eu educo os meus filhos. Ou a forma como eu deveria amá-los incondicionalmente quando saem grunhidos daquelas goelas e jactos de ranho em forma de birras! 
Não! Eu não sou a mãe do Ruca! Não! Eu não lhes sirvo tabuleiros de scones com geleia de morango enquanto eles esperneiam deitados no chão!
E ainda bem que eles fazem birras e mostram a sua indignação perante a vida. Faz parte do crescimento. E nós mães, cá estamos para os acalmar e mostrar o bright side of life! Mas também tenho o direito de ficar com os cabelos em pé. Ó será que não?

Beijos amores! Sejam felizes e tratem da educação dos vossos filhos que eu trato da dos meus! 

15 comentários:

Rita Veludo disse...

Totalmente de acordo!!!!! :)

pés no sofá disse...

se não existem momentos na nossa vida enquanto pais em que queremos saír porta fora e batê-la com força, então é porque não o estamos a fazer bem. também temos direito a fazer birras, damn it. ;)

Kika Bártolo disse...

É impressão minha ou ninguém comentou?:-) Bom ...Como eu costumo dizer..educar dá mto trabalho...e temos de ter mão firme quando é preciso ...o amor está lá ..na educação. Cada um sabe de si ,Deus sabe de todos. Kiki não se rale ...mais que fazer não?:-) bjinho

Margarida Pinto disse...

LOl.. muito bem dito, sim senhora!

http://osmeusosteusosnossos.blogs.sapo.pt/ disse...

A mãe do Ruca não existe, pois não? A mãe do Ruca deixa-me frustrada...!!!!!! ;)


Mum's the boss disse...

É assim mesmo! Se houvesse fórmulas perfeitas e exactas, e scones também, eu seria o primeiro a vendê-los!
Cabelos em pé, raiva contida no peito, também isso faz parte do nosso crescimento (ou desespero) enquanto pais.
O que vale é que somos todas manteiga derretida de má qualidade.
Beijos, love you !

Rt disse...

Realmente, a culpa dos momentos "Chucky" dos nossos filhos é a má educação que lhe damos, claro!!! Não tem nada a ver com idade e com a dificuldade de lidarem com a frustação, não, nada disso!!! Ainda hoje, tive direito a uma super birra da minha filha de 3 anos porque lhe disse que tinha olhos castanhos e não cor-de-rosa, como ela queria. Chorou, barafustou, gritou... mas a culpa é minha, não sei dar educação! Claro que alguns meninos e meninas super, mega bem educados, filhos de pais super, mega fixes e competentes já nasceram com a capacidade de lidarem com as frustrações e de perceberem que, nem tudo na vida pode ser do jeito deles! Só tenho a dizer isto: parabéns papás do ano, aguardo que o Nobel da Parentalidade seja criado para poder aplaudir (de pé)essa vossa capacidade! Até lá... sei lá... escrevam livros para elucidarem estes pais ignorantes das vossas estratégicas magnificas de educação!!!

justme@33 disse...

Não sou mãe e todos os dias sinto que sê-lo é com certeza o "trabalho" mais dificil do mundo! Com certeza gratificante mas compreendo e aplaudo as mães que têm a coragem que dizer que ter filhos não é um mar de rosas e que por vezes envolve momentos de cabelos em pé, gritos e até asneiras ditas para si mesma.
Por isso, Kiki...Está aqui mais uma pessoa a bater-te palmas e a dizer Ainda bem que és humana!!!

Eu tou escondida disse...

Na minha opinião é tudo normal... é normal eles fazerem birras (pelo menos no meu mundo...) e é normal eu me passar dos carretos quando ultrapassa o meu limite!

Gosto muito de ser normal...

Anónimo disse...

Deixa-as cuspir para o ar! Vai-lhes cair tudo em cima!!!!
Eu passei impune aos "terrible two" mas depois ele fez 3 anos e a minha vida ganhou toda uma nova dimensão!
Ou se calhar eu deixei de gostar dele! Talvez tenha sido isso!!! Hoje quando ele começar a fazer birra, faço uns scones com nutella!!!

uba disse...

Birras são normais. Anormal é achar o contrário. Também odeio pessoas que pensam ter a solução para tudo!
Força, porque pelo que tenho lido, tens feito um óptimo trabalho! ;)

Menina Azul disse...

Kiki, ne me fale na mãe do RUCA :( Que surreal... mas como é que alguém consegue estar sempre a chamar fofinho à criança, mesmo quando ele lhe vira tudo do avesso? Não tem hormonas a sra? Não tem problemas? Não tem dias maus?? BOLAS!!!! E depois temos que ouvir coisas como já ouvi da minha filha mais velha: Oh mãe, gostava que fosses mais como a mãe do Ruca, e me chamasses sempre fofinha e não ralhasses e ...
Pois é minha querida: MAS A MÃE DO RUCA É UM DESENHO ANIMADO, NÃO EXISTE... PERCEBES FOFINHA???!!!!!

Enfim, tudo normal minha querida!! Continue assim, que eu também vou continuar!!!

Marisa Luna disse...

És uma mãe com M e isso é que é verdadeiro e não ficção...
A mãe do Ruca só serve para atormentar quem anseia ser perfeita.
Beijocas e continua igualzinha ao que és...

Anónimo disse...

Comecei agora a ler.... tenho uma Matilde de 4 anos e também não sou a mãe do Ruca. Nesta casa também andamos há pouco tempo com um "pontapé nas costas". Sonhávamos em ser quatro e de repente passámos a ser duas... será uma viragem?
Um beijinho
Sofia Torres Rosa

D. disse...

Brilhante