08/02/2012

Mãos à obra?

O primeiro ministro Sueco quer aumentar a idade da reforma para os 75 anos! Pois eu, acho muitíssimo bem! E cá devíamos fazer o mesmo!
As pessoas esquecem-se que, com os avanços da medicina, cada vez vivemos mais e melhor! A idade da reforma deve acompanhar esse mesmo processo. Para evitar que a segurança social rebente pelas costuras. A minha avó tem mais de 75 e menos de 80. Se fosse há umas décadas atrás, passaria os seus dias a fazer crochet à frente da lareira. Em vez disso, tem aulas de história, ginástica, natação, viaja de carro a guiar, toma conta dos bisnetos, tem um telemóvel de última geração que é tão complexo que nem eu consigo mexer com aquilo e fala com as amigas no MSN e no facebook. As pessoas com 75 anos, hoje em dia, estão bem rijas! E podem muito bem produzir. Se me agrada saber que, se assim fosse, ainda me faltariam 45 anos de trabalho pela frente? Arrepia-me... Mas se souber que, dessa forma, vou proporcionar um futuro melhor aos meus filhos e aos meus netos, e que me mantenho saudável e produtiva até lá, então sim! Acho que seria uma óptima ideia! Descontar durante mais tempo e usufruir da reforma durante menos tempo. Talvez esteja aí a nossa solução!...

18 comentários:

rita.cestmavie disse...

Minha querida estou há dias p escrever um post sobre isso. Tenho duas tias com quase 80 anos (uma faz este ano) e que ainda trabalham e são bastante activas. Queria escrever um post sobre elas. Talvez ainda o escreva esta semana. Bjs

Patrícia Teodoro disse...

amiga os meus utentes 98% deles têm mais de 85 anos, tenho um de 102 que estºa reformado há 40 anos. A filha dele tem 75 nos e está reformada há 25 anos (finanças) o marido de 80 esta reformado há quase 30 anos por isso só neste agregado temos mais de 3000 euros em reformas. Tirando médicos do centro de saude, hospital etc. A nossa população dura cada vez mais e por vezes até melhor. Claro que há excepções...e aí ninguém as manda para a reforma, pessoas que se arrastam completamente. Ah e para não falar daqueles que se reformam recebem do estado e depois trabalham (tb que descontam mais) mas também acho que não estão aptos para uma coisa não estão aptos para outra, ou então não pode ser motorista porque não vê o que quer fazer? vamos lá arranjar alguma coisa e continua a descontar porque apenas tem 55 ANOS, sim é diabético mas fuma que nem um cavalo, bebe pinga com fartura e a avaliar pela sua forma física a alimanetção saudável tb não é o forte dele mas pronto foi reformado! Enfim tenho histórias as milhares. Mas tb há aquelas de 30 anos que dorme durante o serviço e tb são por esstas que esamos como estamos. mas não amiga a culpa é da meia dúzia de gajos que estao a governar o país...os outro quase 10 milhões são do mais honesto, trabalhador e coerentes que existe...são aqueles gajos que estão no poder e que andam em grandes carros, os sacanas de merda que até nos tiram feriados que lixam istu tudo...Olhai para nós, olhai para nós. bjs e ainda não ão sete da manhã logo tenho o cerebro ao rubro

Tânia (Mamã do Santiago) disse...

Já para não falar que se pedem empréstimos a 50 anos convém paga-los e continuar a ter o que comer!

mão da mãe disse...

por acaso não posso concordar em absoluto... porque há vidas e trabalhos duríssimos e a saúde não se compadece.
infelizmente a maior fasquia da população sénior do nosso país não chega aos 75 anos com essa frescura de mente e vigor físico. as condições sociais do nosso país também não ajudam em nada. infelizmente, a nossa realidade está muito longe de ser a sueca...

dia feliz*

Ysa disse...

Puxando a brasa à minha sardinha: Já pensou o que seria ter um enfermeiro/a de 75 anos a cuidar de si enquanto doente? Já pensou o que seria de nós (minha classe profissional) a levantar doentes com 100kg e nós com 75 anos???... Desculpe mas não acho que as coisas sejam assim tão lineares... A sua avó viaja e tem telemóvel, o meu avô com pouco mais idade que a sua avó não faz metade! Nunca conduziu, nunca mexeu num telemóvel e já pouco usa o telefóne... tá surdo como uma porta... Há limites para o normal... Pra mim, trabalhar até à morte não é normal!

Full-time Mom disse...

Com o devido respeito, tu não estás boa!

Kiki disse...

É claro que nem todas as pessoas chegam a essa idade com as mesmas capacidades. E eu não digo que se deveria trabalhar até à morte... Possivelmente até se podia trabalhar a meio tempo nos últimos 10 anos. Mas, se descontássemos mais e mais tempo, já haveria dinheiro para dar abonos de família e para as mães ficarem em casa mais tempo com os bebés. E isso ia contribuir para a natalidade deste país e, dentro de 20 anos, talvez a diferença entre a população activa e a população idosa já não fosse tão abismal!

O tio de um amigo meu tem 98 anos, é médico e ainda exerce! :)

Kiki disse...

Ninguém tem noção de onde este país vai parar se a taxa de natalidade continuar a abrandar e as pessoas continuarem a reformar-se aos 55, pois não? Esperem até chegar a nossa vez! Não vai haver dinheiro para as reformas de ninguém...
É por isso que os países nórdicos estão onde estão e a crise passa-lhes ao lado!

Maria João disse...

Mas oh Kiki eu sou enfermeira!!! Tu já imaginaste uma enfermeira de 75 anos?? Compreendo perfeitamente o post e em parte até concordo contigo, mas há profissões e profissões. E acredita que enfermagem deve ser das mais desgastantes fisica e psicologicamente. Não me imagino a trabalhar nesta área com 60 anos, quanto mais com 75!!!!

M.P. disse...

E ainda ficam muito admirados por o primeiro ministro chamar piegas aos Portugueses... Chamou mesmo? T toda a razao para o fazer! Já muitas profissões desgastantes, sim. E não são só as enfermeiras que têm trabalhos duros. Fui Fisioterapeuta durante uns anos (mas já não exerço) e também é uma profissão desgastante fisicamente. E os trolhas? Calceteiros? Camionistas? Professores (muito desgaste psicológico)? Há enfermeiras em centros de Saude que só dão vacinas, analises à urina e planeamento familiar. Os centros de Saude seriam uma solução para os enfermeiros mais velhos. Nao me digam que nao se acham capazes de dar vacinas aos 65 anos...
Minhas amigas, está na hora de pararmos para pensar.
Nao conheço a kiki, mas pelo que escreveu vejo que é uma pessoa inteligente. Concordo em absoluto com tudo o que disse. A geração dos nossos pais foi demasiado beneficiada e agora a nossa e a dos nossos filhos têm de pagar por isso. Após o 25 de Abril foi a rebaldaria total. Façam contas. Uma pessoa que trabalhe 30 anos e desconte 20% do seu salário, depois vive reformada outros 30 anos a receber 80% do seu salário, ou mais! Claro que assim a segurança social vai dar o estouro!! Ah! Já para nao falar que, mesmo reformados, continuavam a receber subsidio de Natal e de ferias (estando eles de ferias o ano todo!!). Pensem nos vossos filhos. É a geração deles quem mais vai sofrer com tudo isto. Bem mais do que a nossa, infelizmente.

Duchess disse...

Nem sei se leia os comentários anteriores.

Eu não concordo. Mesmo. A tua avó tem tempo para cuidar dos bisnetos. Pois os meus pais e os meus sogros não têm. E é isso que nos vai acontecer. Não vais estar a trabalhar uma manhã ou duas por semana, com o resto do tempo para fazeres o que queres fazer e que se calhar, por trabalhares, nunca tiveste tempo para fazer.
Eu acho que dos 65 aos 75 são 10 anos excelentes para aproveitar para fazer o que não se fez. Estar com os netos, viajar, usufruir da vida.


Sinceramente não me estou a ver exercer qualquer uma das minhas profissões até aos 75 anos. Principalmente a de docente. É muito duro.

Duchess disse...

ahahahahahahaha. Li agora o comentário da Full-time mom.
Sempre sem papas na língua:):)

cadernobeje disse...

Concordo que a idade não é um entrave a nada. O avô do meu namorido foi médico no activo até aos 92 anos (morreu há pouco com 96). Daí aumentar-se a idade da reforma... Há jovens para entrar na vida activa e para renovar o "stock". Se devem enfiar-se em casa? Claro que não. Mas acho que, a partir de certa idade, adquire-se estatuto para se decidir se quer continuar a trabalhar até aos 80, ou viajar, ou tricotar, ou passear os netos. Opção. Não imposição. Agora, devia haver um ajuste para os que têm direito à reforma mas querem continuar a trabalhar; receber dos dois lados por inteiro já se torna um pouco abusivo... digo eu.

Duchess disse...

Olha que escolheste um belíssimo tema de debate!
Eu já cá tinha vindo, não já??:)

Sim, gostei imenso aqui do comentário da cadernobeje. Para mim é isso mesmo: direito de escolha a partir de certa idade. O meu pai é médico e continua a exercer e não o estou a ver ir para casa o dia inteiro. Não estou mesmo. Já a minha mãe, que toda a vida foi professora, arranja sempre coisas para fazer, nomeadamente ficar temporadas com algum dos meus filhos:)

Duchess disse...

By the way: viste a resposta da loja? 23 euros. Eu agora só compro coisas entre os 10 e os 13:):)

Nini disse...

Pois ora bem, eu passei por uma situação em que vim substituir um senhor com os seus 72 anos que apesar de já estar reformado desde os 65 continuava a trabalhar. Se me perguntarem se ele ainda tinha capacidades para desenvolver a sua profissão- tinha e tem concerteza, contudo entre ter no ativo alguém mais jovem ainda com familia a cargo ou uma pessoa que já construiu a sua vida e que pode aproveitar o tempo que lhe resta com saúde e capacidade mental, é natural que eu pense que já estava na altura de ele se ausentar do trabalho.
Neste caso em meu benefício, claro está, senão o que iria acontecer era o senhor continuar mais uns anos e eu provavelmente ia para o olho da rua.
Assim continuo "orgulhosamente" recibo verde, num cargo que tem tudo para ser contratualizado. Mas ao menos ainda vou tendo trabalho.
Bjinhos

Maria de Lurdes disse...

Kiki, concordo com o que dizes, naõ diria reforma aos oitentas, mas pelo menos aos setentas, com adaptação ao posto de trabalho ou pré-reforma.

Infelizmente, creio que problema é que já se está num ponto de não retorno. Não acredito que haja reformas para a nossa geração, quanto mais a dos nossos filhos, mesmo que se trabalhe até mais tarde. Mas ao menos que haja saúde e educação e outros serviços públicos tendencialmente gratuitos e para isso há que haver mais contribuintes e mais contribuições.
Quem quiser uma boa reforma, ou reforma de todo, é bom que trabalhe muito e bem para ganhar muito dinheiro e vá desde já abrir um PPR e iniciar umas aplicações com dinheiro poupado, porque essa será a única forma de assegurar uma reforma.

Anda tudo a dormir, sonhando com passeios seniores à pala das reformas...

Duchess disse...

Kiki, deixa-me ainda dizer-te que quando falei em usufruir da velhice junto dos netos e dos filhos e das amigas e a viajar, nem sequer estava a pensar em viver da reforma. pensei mais em viver à custa do que se conseguiu ir amealhando ao longo dos anos.

Beijinhos