24/09/2013

10 coisas que podem levar um casamento à falência!

"Olham'esta agora armada em terapeuta familiar!!!" Pois... Pensem o que quiserem! Eu acho que a vida é uma constante lição e que as maiores lições aprendemos com as nossas próprias asneiras. Cresci a ouvir milhões de conselhos, não foi por isso que errei menos. 
É com as quedas que aprendemos a levantar-nos e tenho a certeza que da próxima vai ser muito melhor! Resolvi fazer um apanhado dos erros que mais vejo serem cometidos (alguns por mim também foram) e que, hoje em dia, com a frieza da distância e a experiência que tive, quando vejo um casal a cometer estes erros, só me apetece pôr-lhes uma sirene em cima da cabeça e gritar: CUIDADO!!!!!


1. Gostarmos mais do outro do que gostamos de nós.
Percebi que é impossível gostar de alguém sem gostarmos de nós próprios. Quando nos esquecemos de nós, de nos cuidar, de nos mimar, é impossível termos disponibilidade para sermos felizes porque a única preocupação passa a ser o bem-estar da outra pessoa. E quando essa pessoa vai embora, sobra uma carcaça de qualquer coisa que um dia fomos.

2. Não olhar nos olhos, pelo menos uma vez por dia.
A rotina e o dia-a-dia de trabalho, casa e filhos faz com que as pessoas andem cansadas. Os banhos são dados à pressa, o jantar é feito à pressa e a refeição (quando é à mesa) é feita entre "come o frango!" e "não entornes a água!". Depois é enfiar as crianças na cama, arrumar a cozinha e deitar os ossos no sofá ou na cama. De repente damo-nos conta que há dias que não olhamos a pessoa nos olhos e não perdemos 1 minuto sequer para dar um mimo ou fazer um carinho.

3. Por os filhos à frente do casamento.
Os filhos são um complemento do casamento, não um objectivo e muito menos um fim! Os filhos materializam o amor entre duas pessoas, são fonte de felicidade mas também de cansaço e são uma herança que deixamos na terra. Nunca devem ser postos à frente (nem atrás) de um casamento. Por vezes estamos tão ocupadas com as horas dos leites e de por as crianças a arrotar ou com os folhos da camisa e as mochilas da escola, que é fácil esquecer que há outra pessoa na nossa vida que também precisa de atenção. 

4. Esquecermo-nos de "regar" o amor.
É muito fácil amar um filho. Ele saiu de dentro de nós. É um amor mágico, eterno e incondicional. Difícil é amar uma pessoa que escolhemos, que nos escolheu. Que tem defeitos e virtudes e que tem de lidar com os nossos também. Um amor entre um casal tem de ser regado para não morrer, o amor entre um pai e um filho, não! Por isso não faz mal nenhum, de vez em quando deixar os filhos com os avós ou os tios para ir namorar para longe! Os filhos não vão deixar de gostar de nós por isso.

5. Deixar coisas por dizer.
Muitas vezes para não haver discussão. Mas o problema é que magoam e, sem darmos conta, fica lá escondida. E da próxima vez, acumula. Um um dia sai tudo pela boca fora numa proporção bem maior do que devia. Se alguma coisa nos magoa ou incomoda, devemos sempre dizer, falar, conversar. Às vezes são coisas mínimas que podem ser imediatamente resolvidas em vez de se transformarem em fantasmas que um dia se soltam para assombrar uma relação.

6. Não saber pedir desculpa e nem aceitar.
Às vezes não é fácil pedir desculpa. Mas também pode ser complicado aceitar. Aquele orgulho manhoso que temos... Apetece-nos fazer birra e ficarmos amuados. Quando as coisas seriam tão mais fáceis se, depois de fazer as pazes, déssemos umas boas gargalhadas. Juntos! Não há nada melhor do que partilhar gargalhadas! E se for com a pessoa de quem gostamos, que podemos pedir mais?

7. Termos remorsos de nos pormos bonitas.
Que mal é que tem ele ficar com as crianças para irmos ao cabeleireiro? Precisava de comprar umas calças para a filha... O cabeleireiro podia esperar... A sério? E as calças? De certeza que não podem esperar até ao fim do mês? Desde que somos mães, somos invadidas por um sentimento de culpa! Gastar 7€ a arranjar as unhas parece uma loucura quando precisamos de gastar 15€ numas calças para a riqueza. E assim vamos ficando com as roupas mais gastas e o cabelo num horror. E é claro que isso vai baixar a nossa auto-estima e blá blá blá (Reler o ponto nº 1!) Não há melhor do que nos sentirmos bonitas. E eles também adoram ter uma mulher bonita ao lado! De vez em quando, deixemos as calças dos nossos filhos darem pelo tornozelo! Só até ao fim do mês! Eles nem vão notar... ;)

8.  Não dar espaço ao outro para respirar.
Claro que a rotina do dia-a-dia nos deixa pouco tempo para estar em casal. Mas esse tempo tem de ser mesmo grudado um no outro? Eles adoram ir ao ginásio, ver o futebol com os amigos e beber uns canecos. E nós? Não gostamos também de ir com uma amiga ao shopping ou com um grupo animado de miúdas jantar fora? Tanto eles como nós, voltamos bem mais descontraídos e felizes para casa depois de um programa destes. Não aguento ver casais a discutir por causa deste assunto... Uma pessoa feliz e descontraída é bem mais disponível para o outro quando volta para casa.

9. Fincar o pé em vez de engolir um sapo.
Especialmente no tema sogras. "Porque a minha mãe disse para fazer assim!" De certeza que a nossa mãe ou nós mesmas sabemos muito melhor como se faz. Mas às tantas, pode gerar-se uma confusão tão grande só porque a sogra diz que quer a cenoura às rodelas e nós achamos que fica melhor ralada. Mais vale pensar bem na importância do assunto antes de mandar vir as tropas para a guerra. Eles vão ficar tão surpresos e satisfeitos por darmos razão à mãe deles e fazermos como eles sugerem... E na realidade, cenoura é cenoura. Pouco importa se vai às rodelas ou ralada.

10. Não brincar!
É fundamental brincar. Dar gargalhadas, fazer palhaçadas. Criar cumplicidades. Não falar só de coisas sérias nem de problemas nem de filhos nem de contas. Gozar um com o outro, pregar partidas, fazer surpresas. Se houver humor e boa-disposição, a vontade de estar ao lado daquela pessoa é muito maior. E quando há problemas, é muito melhor e mais fácil ultrapassá-los a rir do que sentados a carpir mágoas e a implicar um com o outro.


Como dizia o outro: Façam o favor de ser felizes!




28 comentários:

Cláudia disse...

Olá Kiki

Depois de ler todos os 10 "mandamentos", espero relembrar de alguns ou mesmo todos para pôr em prática porque as vezes o que acontece é realmente o que escreve.
Agradeço a partilha diária que me faz rir muitas vezes e deixar ao meus colegas a olhar pra mim a pensar ta doida só pode ;).
Muita coragem e força para seguir em frente.
Apesar de não a conhecer admiro-a muito.
Beijinhos de uma Portista e Mulher do Norte ;) =D

Jo disse...

Não sou casada ainda... mas gostei muito deste post! ;)

Princesa Tagarela disse...

Concordo muito, mas muito com o que acabei de ler !!

;)

SBarreiros disse...

Olá Kiki

Que post tão sincero e verdadeiro.
Desejo que a vida lhe traga uma nova oportunidade de ser feliz neste ponto, seja com a mesma pessoa ou não.

Um beijinho
SB

Jardim de Algodão Doce disse...

É tão verdade tudo, tudo, mas na prática é sempre tão complicado gerir tudo...Tudo de bom para si!

Kiki - Família de 3 e 1/2 disse...

Com o mesmo não será! eheheheh :D

Obrigada!!! <3 Que bom que gostaram! :)

Anónimo disse...

Gosto tanto de a ler! Mesmo. Escreve muito bem e parece ser uma pessoa mto querida! Foi a partir dos 32 q fui mais feliz ;) Gde bj

Alexandra Cayolla disse...

Minha querida,

Adorei o que escreveste! Vou tentar seguir e não me esquecer dos teus conselhos preciosos. São a mais pura verdade. Creio que todos já sentimos na pele os efeitos de cometer um ou outro destes erros. Admiro muito a tua coragem e sinceridade. Um beijo grande

Carla Isabel disse...

:)...gostei de ler, sim!

Maggie disse...

Olá Kiki concordo com tudo, gostei mto do post. No nosso caso não há onde deixar as crianças, os avós não estão para isso mas acabei por conseguir dar a volta graças a umas amigas fantásticas. Concordo com a anónima, somos mais felizes quando somos mais velhas, a maturidade ajuda a não empolar os stresses diários.
Bjos

Ahhh e qdo quiseres companhia para um cafézinho ou shopping apita.

Maggie

Entre Biberons e Batons disse...

Adorei o texto! Smples, direto, mas diz tudo! bjs

Inês+3 disse...

Fiz ontem 7 anos de casada (com mais 8 de namoro) e, por isso, este post não podia vir mais a propósito! Adorei!
Arrisco acrescentar mais um, regra cá em casa: Nunca nos deitarmos zangados. Pode demorar a fazer as pazes mas tem de ser antes de ir dormir!
beijinhos, Inês+3

Carolina Cardoso Silveira disse...

Um texto cheio de verdades!

Anónimo disse...

Adoro sempre aquilo que escreves e a maneira como escreves, és fenomenal, estes conselhos são tão simples e tão comuns em todas as vidas a dois....muitos parabéns e obrigada.

catarina vassalo

The Dreams Blogger disse...

Olá!
Desde já os meu parabéns! Um post bem disposto com algumas piadas mas a mesmo tempo sério, porque o que diz realmente é mesmo assim! Concordo plenamente!
Bjs

Raquel disse...

Só verdades Kiki! :-) mas é tãããão difícil às vezes! Arre! :-) pior que correr a maratona!
Beijinhos grandes

bebexik disse...

Olá Kiki ,

Parabens por tudo ...
1º pelo post muito bom mesmo
2º pela coragem de falar de um assunto ainda um bocado "tabu" no sentido que é sempre mais facil escrever sobre assuntos "bons" felizes ...cor de rosa....etc..

Adorei estes 10 mandamentos simples directos e a tocar na "mouche" com uma leveza que a caracteriza tão bem ...

um beijinho
Raquel

Rita disse...

Se mostrares isto a um homem ele resume tudo isto num só. ;)

Anónimo disse...

Pois .... a vida passa dia a dia....o que me irrita é que nos mulheres temos que ter paciência para tudo... e eles são sempre os primeiros a abandonar tudo, e eu não acredito em pais á distância!!!!

Anónimo disse...

Adorei o texto. Nasce um filho e parece que em vez de sermos felizes para sempre tudo se desmorona... acho que tenho feito os 10 erros lol
implico com a sogra e com o marido, só penso em dormir e enfiar a papa na miúda a correr, meter-me na cama quase sem dizer boa noite e no dia a seguir acordo com um oh meu Deus, mais um dia... ah, e amuo com os programas de futebol porque quando dou por isso sinto que faço tudo sozinha e quero mimo.
Enfim... Fez-me bem ler esta lição :)

vidasdanossavida disse...

Mesmo com muito amor é fácil perdermo-nos no casamento. É mesmo importante parar para olhar, para abraçar, para mimar e para rir antes que seja tarde demais... Um beijinho

Anónimo disse...

Muito bom. Estes somos nós, tal e qual. E no dia a dia nem nos aperecebemos disso. Obrigada pelos conselhos. Todos os casais deveriam ler e tentar por em prática

Bailarina disse...

sinto-me culpada as vezes que coloco o casamento à frente do meu filho, claro que em pequenas coisa, quando fica em casa dos avós, quando jantamos os dois e vamos para os copos os dois! continuo a achar que pais felizes terão crianças mais felizes e nem imaginas o esforço por seguir estes mandamentos!
Adorei ler e sei que vai ser feliz ainda!muito!

Bailarina disse...

sinto-me culpada as vezes que coloco o casamento à frente do meu filho, claro que em pequenas coisa, quando fica em casa dos avós, quando jantamos os dois e vamos para os copos os dois! continuo a achar que pais felizes terão crianças mais felizes e nem imaginas o esforço por seguir estes mandamentos!
Adorei ler e sei que vai ser feliz ainda!muito!

scmsm disse...

Adorei este texto, e o engraçado é que penso tal e qual isso, mas ainda assim faço dois desses erros, o nao tomar conta de mim e o de calar quando devia falar para nao haver discuçoes.
Acho que todas as mulheres deviam ler isto e perceber que esta é uma realidade constante apesar de muitas dizerem que nao o fazem.
Desde o dia que a minha filha mais velha nasceu que eu a pus no mesmo patamar que o meu casamento, nunca no de cima ou no de baixo e amigas minhas me diziam que nao eram capazes de deixar os filhos nas maes para terem uma noite com o marido, pois eu impus como que por obrigaçao uma noite só nossa sempre que possivel, sem filhos, sem horarios, sem stress.... e ao fim de 8 anos temos um casamento fantastico. Espero que muitas mulheres te leiam e te seguiam :)

mãeee disse...

Muitos parabéns pela clareza deste texto Kiki!
Mãe de três, sem família por perto, e a "perder" tempo para manter estes princípios activos na nossa vida e assim, nos mantermos agarrados um ao outro. Porque, se os filhos nos calham em sorte, os companheiros são escolha e essa escolha deve ser mantida viva e válida. Dá tanto trabalho, que dá. Não se consegue sempre, que não. Mas textos como estes e princípios como o que implementámos em casa (1 vez por mês temos um tête-atête só nós dois para não haver cá lastro no barco), fazendo-nos seguir em frente.
Obrigada e toda a felicidade do mundo. Mereces! e é e será tua!

beijo grande

bomdiacomtorradas disse...

Li com toda a atenção e concordo com tudinho... E não é que cá em casa as coisas andam meio viradas do avesso...
Obrigada pela partilha ;)
Senti todas as palavras mesmo muito!!!
Felicidades :)

Anónimo disse...

Muito bem Carolina, eu já tinha lido. Gosto muito da forma como escreve, para quando um livro? ... é só uma ideia... também penso que uma coisa muito importante é aceitarmos os defeitos do outro. Parece óbvio. Mas não é assim tão fácil de pormos em práctica. Ou seja, vejo imensos casais (eu própria já fui assim) a reclamarem um do outro que "ela/ele tem de me aceitar, ela/ele não aceita isto ou aquilo". Se eu me preocupar em que "EU tenho de aceitar o que ele é" e se ele se preocupar em me aceitar como eu sou, as coisas correm como um rio calmo. Habitualemte andamos cheios de razão e sempre a pedir ao outro. Acho que quando nos questionamos a nós próprios, podemos operar boas mudanças. Carolina, escreva, escreva, escreva, porque nós adoramos, adoramos, adoramos!!! ;) beijinhos, Sofia Torres Rosa