30/06/2011

E para acabar com esta conversa!

Agora que já amanheceu, que dormi lindamente e que tudo está óptimo, já vos posso contar um dos alguns episódios que me aconteceram.
A este, os mais cépticos podem chamar coincidência, eu acredito noutra versão da história.
A minha Avó Maria (já falei dela aqui) morreu em Novembro de 2006. Em Janeiro de 2007, no dia 6, o Luís e eu fizémos um lanche de noivado para os nossos pais. A minha avó tinha-me deixado um saco com toalhas de pano e paninhos para o chá e eu quis usar alguns em sua honra. Despejei o saco das toalhas em cima da cama para poder ver tudo e escolher. No meio das toalhas caiu uma fotografia minha e do meu irmão pequeninos com uma cadela que tivemos. Eu nem fazia ideia que a minha avó tinha aquela fotografia nem percebi como é que ela tinha ido ali parar. Olhei para a fotografia e fui pô-la na estante da sala. A nossa cadela era linda, uma Bobtail (procurem esta raça no Google) e chamava-se Emma. São cães raros e não se vêem muitas vezes, na altura nem havia cá. O meu pai trouxe-a de França.
Entretanto, faltava meia hora para os nossos pais chegarem e eu precisava de ir a correr à mercearia do fundo da rua comprar já não sei o quê.
Assim que saio do prédio, vejo um senhor a meio da rua a passear... Um Bobtail... Aquilo arrepiou-me! Ainda há pouco tinha encontrado a fotografia... Mas achei graça e avancei em direcção ao senhor para ver o cão. Afinal de contas, não se vêem cães destes todos os dias!

- Que giro!!! Adoro estes cães! Tive uma cadela igual há uns anos!
- São muito giros! Também gosto muito! E são muito amigos!
- Como se chama?
- Chama-se Emma.

Como devem calcular, eu gelei... O senhor ficou a achar que eu não batia bem da pinha porque nem lhe disse mais nada e fugi... Agora, há quem fale em coincidência, eu acho que é outra coisa!...

****

7 comentários:

macaca grava por cima disse...

ó pá!!! Ontem quando fui adormecer o meu M. olhei umas 50 vezes para o espelho, a ver se não passava nenhum vulto e passei o tempo todo com os cabelos da nuca eriçados... por causa do outro post... credo. Mas tu vives bem com a situação, não vives?

E depois pensei... não será o cansaço e privação de sono acumulados??? No outro dia tb me parecia que tinha apagado a luz do quarto do M. e ela apareceu acesa, depois à noite, pareceu-me ouvir alguém chamar-me mt baixinho, chamei pelo meu marido e nada (porque ele não estava nem perto...) arrepiei-me toda e fui dormir! :-)

Mami ( Sónia ) disse...

Querida tenho tantas histórias desse género :) Acredito que alguém lá em cima olha por nós, e acredito que a minha avó paterna já salvou a vida ao meu primo mesmo estando morta à mais de 15anos na altura!
São coisas que se sentem e não se conseguem explicar, quero lá saber se me acham doida!

Só sedas disse...

Eu não acho coincidência, acho lindo! E a história até me arrepiou :)

Maria João disse...

É assim eu tou sozinha em casa!!!!! Eu não acho coincidência. Nessas coisa sacredito e acho que a tua avó olha por vocês todos no sitio onde estiver. Chama-se anjo da guarda! E nisso eu acredito. Não tenho dúvidas que tb tenho o meu; eu e a minha familia. Pequenas situações já o provaram!!
Conta mais:)

Sílvia disse...

E eu que ainda não tinha "digerido" o post de ontem, já cá está outro?

Chiça... nem sei que te diga.

Mommy Kiki disse...

Pois é queridas, foi só para mostrar porque acredito nestas coisas! :)

Se vivo bem com elas?... Hum... Fazem-me alguma comichão. Esta história em especial deixou-me feliz, mas por norma não gosto...

Como disse à Maria João, não vou publicar mais nada sobre isto para não transformar o blog num antro de espiritismo! hahahahah
Primeiro porque são coisas que não gosto de falar e depois porque não são só vocês que cá passam. Muitas pessoas passam cá que eu não sei quem são e não me apetece partilhar determinadas coisas com qualquer pessoa! ;)

Beijinhos a todas! Grandes!

http://analourenco.blogspot.com disse...

Carolina,

Não há coincidencias citando-Christina Aguas.

Bonito, e ainda bem que reajes assim. És um ser de luz e e em muito boa companhia.

Um abraço

PS: sempre que abraçamos alguém os nossos anjinhos batem palmas de contentes.