28/11/2011

Quem é que manda???



Quem é que me manda a mim ler uma história à Gigi sem a ter lido antes??? Ela traz-me um inofensivo livro que data de meados de mil, nove e sessenta (1960) com o desenho de um lindo bebé deitado nas palhinhas e cujo título era Festa do Natal. 
- Mãe, conta?
- Claro que sim!
Sentámo-nos no sofá. E a dita história reza assim:
João e Isabel saíram com a mãe que vai fazer compras. Param diante de uma loja de brinquedos. Na montra, vê-se um grande boneco de longas barbas brancas, (e aqui a Gigi já estava aos pulos - É o Pai Natal!!!) fato encarnado, (e ela vibrava) capuz da mesma cor, (e ela saltava) botas altas (a criança batia palmas- É o Pai Natal, não é mãe?) e saco às costas.
- Mãe, este é mesmo o Pai Natal, ou é o retrato dele? - pergunta Isabel.
- Nem uma coisa nem outra minha filha. Não há Pai Natal! (Upssssss! Acho que falei demais... Mas deixa-me dar o benefício da dúvida ao livro...)
- Não há?! Mas toda a gente fala dele!
- Toda a gente não, felizmente! (Uiiiiii! É melhor desviar a atenção para outra coisa...) Só os que não são Cristãos, ou os que esquecem de que o são. O Pai Natal é uma invenção do Diabo (felizmente aqui já estava a ler em surdina!!!), para roubar o lugar de quem deve ser festejado nesse dia...
- Então o Pai Natal é um ladrão? - Diz o João. (mas isto não acaba???)
A mãe ri-se... (ah! Afinal é boazinha...)
- Seria um ladrão se... (gosto da pausa...) existisse! (Autch! Essa doeu...)
- De verdade, não há Pai Natal?
- Não há minha filha. É tão verdadeiro como os papões e as fadas. (estou com pena da criança!) Não serve para nada. É um disparate que algumas pessoas grandes ensinam os filhos a fazer. O Natal não é a festa de um velho de barbas fingidas vestido para dar nas vistas (e agora estou com pena do barbas!!!)... É a festa do menino Jesus!
(e depois continua com a história do nascimento de Jesus - uma autêntica lavagem cerebral...)

Moral da história: Não sei onde a minha avó tinha a cabeça quando ofereceu este livro à minha mãe!!!

****

2 comentários:

Só sedas disse...

Ahahah isto só prova como a censura paterna é completamente necessária e justificada!

Vera Bravo Figueiredo disse...

ahahah Carolina adorei este post!! mto bom mesmo!!!