02/01/2017

Este estigma que nos persegue!

A maior parte das mulheres são apenas (como se isso fosse pouco) isso mesmo. Mulheres! 
Não importa se são mães, avós, advogadas, professoras ou empregadas de balcão. Depois há AS OUTRAS, as divorciadas. Essas, pouco são além disso mesmo. Mulheres-divorciadas. Mesmo que essas mesmas sejam também mães, avós, advogadas, professoras ou empregadas de balcão. As mulheres casadas não são mulheres-casadas, as mulheres viúvas não são mulheres-viúvas. Por alguma razão que o Mundo desconhece [e eu também], a sociedade quer que as divorciadas carreguem o "divorciada" como se fosse um complemento circunstancial absolutamente necessário à determinação de carácter das mesmas. 

É assim uma espécie de aviso! 

Ninguém diz: Vou levar uma amiga em união de facto! 

Mas diz-se: Vou levar uma amiga-divorciada! 

E depois a amiga aparece com uma espécie de letreiro luminoso em cima dos cornos a avisar o perigo. 

Porque toda a gente que sabe que uma mulher-divorciada não faz mais nada na sua vida para além de caçar. E obviamente também se sabe que a mulher-divorciada-caçadora o faz em qualquer lugar, altura ou situação. Em casas-de-banho públicas, filas de supermercado, no estacionamento do colégio, em casa de amigos e na sala de espera de consultórios. É óbvio! É uma necessidade nossa... 

As pessoas acreditam que a mulher-divorciada-caçadora-devoradora-de-homenzinhos não tem qualquer tipo de filtro, carácter ou discernimento e por isso escolhe as presas independentemente do seu estado civil, económico, de espírito ou embriaguez. 

Pouco há a fazer-se em relação a isto. Embora eu nem vá mencionar o perigo que isso representa tendo em conta que as pessoas ficam tão focadas em protegerem-se das mulheres-divorciadas-caçadoras-devoradoras-de-homenzinhos-destiladoras-de-uma-fome-voraz que nem olham para as que parecem inofensivas porque são SÓ casadas, mães ou avós. 

Vou ver se me controlo, que acabaram de passar dois tipos debaixo da minha varanda, e, se eu não estivesse aqui a escrever,  já os teria roubado-destruído-os-seus-lares-devorado-loucamente-num-qualquer-vão-de-escada!!!

A vocês mulheres, que além de mães e professoras-advogadas-empregadas-de-balcão, também possuem um estado civil qualquer que não caracteriza a vossa maneira de estar na vida! 

Um brinde migas! E bom ano novo!!! 

5 comentários:

Sandra Amaral disse...

Hilariante e tão verdade! Shame on us! :p

Cláudia disse...

HAHAHAHA muito bom!!!
Ups...tenho de ir, esta li um gajo mesmo jeitoso que preciso ir devorar agora :P :P

Anónimo disse...

Eu tenho esse estigma, sendo que também sou divorciada e nem sequer olho para homens comprometidos. Não quero nunca destruir relações. Não conseguiria viver com esse peso.

Anónimo disse...

👌😊

Catarina disse...



Mesmo.... Só nós é que sabemos o que é sentir isso. Até a minha irmã tem receio de mim e não me quer com os amigos dela. Às vezes dói. Esta sociedade machista. Eles podem tudo (casados, solteiros , o que for), nós mesmo divorciadas ficamos com fama de esfomeadas, caçadoras e outros nomes piores. Espero que não seja a minha cabeça que tem o estigma...porque acho que existe mesmo. As casadas querem distância...isso é que elas confiam nos seus homens...

Estou aqui a encontrar muitos pensamento semelhantes com os seus...