28/01/2017

Tirem os padrões às crianças! E aos professores! E aos pais!

O sistema escolar do nosso país não foi feito para crianças. Nem para professores. Foi idealizado por políticos barrigudos que nada percebem nem de crianças nem tampouco da profissão de professor e educador. 

Em vários países chamam-lhe Kindergaarten (Jardim Infantil). No Brasil chamam-lhe Jardim Escola. Cá chamam-lhe Pré-Escolar! Em tempos chamaram Jardim de Infância, mas algum ignóbil de fato e gravata achou melhor alterar. Provavelmente para nos meter nos padrões europeus de qualquer coisa. 
O teu filho de 3 anos está no pré-escolar! Quando devia era estar no Jardim Escola. Até aos 7 anos de preferência. E não era menos inteligente, por aprender a ler quando chegasse a altura dele. Era sim mais feliz porque brincou até o corpo e o cérebro pedirem momentos alargados de concentração em cima de livros. 

Os nossos filhos são avaliados por um método que apenas quer saber se ele corresponde ao padrão! E o que é o padrão? Quem criou o padrão? Ninguém sabe o que raio é o padrão! Nem quando foi inventado. E quanto mais evoluímos, mais o padrão mata crianças e estrangula professores e angustia pais! 

Os adultos quando são crescidos são jornalistas, advogados, artistas, médicos. São-no porque têm gostos diferentes. Dons diferentes. Apetências diferentes. Têm até ritmos de raciocínio, de pensamento diferentes. E ninguém está a dizer que um médico é maior ou menor que um advogado ou um artista. 

Uma criança, na sua fase mais criativa, na fase mais importante de aprendizagem e de descoberta, de pujança de sentidos, não tem direito a isso. Tem o dever de pertencer a um padrão. E se a criança não estiver no padrão, temos de nos preocupar. Porque não faz igual aos outros! Está fora do ritmo! Do que é esperado dela. E o professor encostado a uma parede com a faca das metas, dos objectivos, dos currículos ao pescoço, sem conseguir chegar com o braço às crianças. 

- A criança já devia andar! 
- A criança já devia contar! 
- A criança já devia ler! 
- A criança já devia................. 

Eu não quero que os meus filhos e os meus alunos façam igual aos outros! Eu quero que eles se descubram. Que eu os descubra. Que os professores deles os descubram. Eu quero que eles descubram o Mundo. Eu quero que eles explorem o espaço e o Mundo à sua volta e que os adultos respeitem o tempo deles. E o problema é que quem quer respeitar o ritmo de uma criança não pode! Porque estamos todos dentro de um sistema que não permite. 

Porque não chamam ao pré-escolar Jardim Escola? E porque não chamar  pré-escolar a um novo patamar antes da escola. Com 5 anos a criança passaria  para o pré-escolar e ali ficaria até aos 7 anos! A fazer descobertas incríveis. A fazer ciência, jardinagem, construções. A trepar paredes e árvores. A aprender contas com as poças de água e as pedras do parque e a aprender letras deitada em almofadas. Enquanto ouve lenga-lengas e sonha com elas. A descobrir quais os seus dons. A observar os dons dos amigos. A absorver Mundo para dentro de si e a deixar Mundo no coração dos outros. 

E depois disto, sentaríamos as crianças na sala de aula. Dar-se-iam as aulas no quadro, fazer-se-iam fichas nos manuais. Mas sempre que uma pergunta surgisse, sempre que algo acontecesse, sempre que o Mundo exigisse (o Mundo de uma criança) o professor pararia! Escutaria! Responderia! Com tempo, com vontade, sem pressa. Felicitaria as descobertas e os sucessos! Encorajaria a superação. Motivaria! Gritaria de alegria! Daria murros na mesa, mas de emoção! 

Enquanto não pararmos de apontar o dedo às dificuldades, enquanto não pararmos para aplaudir os sucessos (os grandes e os minúsculos), enquanto decidirmos quem passa de ano ou quem devia ficar só através de uma data de nascimento, ou de uma suposta adequação (ou ausência dela) a um padrão, enquanto tentarmos encaixar as crianças como peças de puzzle dentro do padrão de um sistema retrógrado, imbecil e altamente desmotivador, vamos continuar a ter crianças frustradas, infelizes, desmotivadas, pais angustiados, desesperados e cansados e professores exaustos e desmotivados. 

Só que eu não sei como fazer isto! E tenho muita pena de já não o poder fazer a tempo dos meus filhos. 

8 comentários:

Anónimo disse...

o seu filho anda na escola joao de Deus? num jardim de infancia a criança so pode ficar ate aos sete anos com uma declaraçao medica em como precisa d emais tempo...

I* disse...

<3 <3 <3

Susana disse...

Olá! Pode ajudar assinando esta petiçao e divulgando a mesma pff :) se ja o fez, excelente!
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=transformareducacao

Anónimo disse...

Quando em vez de "furos" têm as chamadas aulas de substituição, que de substituição não têm nada, é uma ocupação de tempos livres mas dentro das salas de aula porque se vierem para os pátios da escola fazem barulho e podem magoar se... Quando um aluno tem dificuldades de concentração e ainda lhe impõe mais aulas de apoio ao estudo, tutorias... Quando as crianças precisam de brincar, pular, correr sozinhos e estar uns com os outros e lhes tiram isto tudo, só pode dar tudo errado. Mas quando perceberem isto já será tarde demais. Quando obrigam os professores a passarem mais tempo na escola e não lhes dão condições para trabalharem, preparar aulas, corrigir testes ou estar simplesmente com os alunos mas de uma forma diferente da da aula... Quando temos obrigatoriamente testes comuns, com alunos e turmas com tempos de aprendizagem diferentes, mas todos têm de saber o mesmo na mesma altura do ano ... Quando alguns professores faltam e esses alunos chegam aos testes comuns com 2 ou 8 aulas a menos que os outros... Este não é realmente o melhor caminho.

Anónimo disse...

olá,

No Brasil, pelo menos no meu tempo - e tenho 37anos- chamava pré também. E fazíamos as mesmas coisas que vejo pela pré daqui. Não estou com isso a concordar.
Mariana

Criança Pensa disse...

Hoje li que todo o esforço é fundamental quando se tratar de mudar o ensino !!! Podemos pensar que não temos sucesso, mas a verdade é que contagiamos outros com a mudança. Quem o disse foi Maria Montessori, isto há mais de cem ... !!! Esta tudo escrito, faltamos a revolta, a acção, o quer, penso que mais que tudo falta-nos ser Verbo e com isso fazer a mudança. Bom resto de domingo

Anónimo disse...

Não poderia estar mais de acordo...

Filipa Lourenço disse...

O meu filho anda num Jardim de infância Waldorf e considero que não poderia ter escolhido melhor. E se tudo correr bem continuará na primária também. Transmitem valores tão mas tão importantes e promovem experiências tão únicas a estas crianças que considero ser a pedagogia "perfeita"! como o respeito da individualidade da criança, respeito pelo ritmo, pelos outros seres humanos, pelos animais, pelos produtos da terra, pela natureza, pela liberdade. Fico tão feliz de por na máquina 2 mudas de roupa por dia tão sujas de terra, lama, tinta, barro ou farinha! Fico tão feliz de ele não querer sair da escola quando o vou buscar! Fico tão feliz por ele com 4 anos acabados de fazer subir e descer das árvores com uma destreza que eu nunca imaginei! Fico tão feliz que ele saber usar uma agulha para costurar 💙