24/10/2013

A vida insiste em ser irónica...

Ontem acordei com a estranha sensação que tinha um compromisso importante mas que não sabia bem como reagir ao mesmo...
Estranho ter comparado todos os momentos do dia com os momentos do dia em que me casei.
Tomei o pequeno-almoço sozinha no sofá em frente à televisão e lembrei-me que 6 anos antes estava a tomar o pequeno-almoço numa casa cheia de galinhas que estavam mais histéricas do que eu. Soube-me bem estar sozinha a beber não só a minha meia de leite, mas também o sabor da vida e principalmente, sentir o sabor do momento.
Achei que devia ir ao cabeleireiro. Não para me por bonita para a ocasião, mas para me mimar. Apeteceu-me ter pena de mim só durante aquele bocadinho. Sentei-me na cadeira do cabeleireiro para lavar a cabeça e mais uma vez me lembrei de há 6 anos atrás quando, sentada no quarto dos meus pais, tinha duas cabeleireiras em cima de mim e um bando de amigas queridas a apaparicarem-me! Apetecia-me fechar os olhos e relaxar, mas a rapariga angolana, alta e gordinha que me lavava a cabeça teimou em trazer-me ao mundo dos vivos e lavou-me a cabeça como se me estivesse a ceifar os últimos pensamentos de casada. Entre os picos de água gelada alternados com os picos de água a ferver e as unhas dela a esfregarem o meu couro cabeludo, sobrou pouco para tristezas e auto-comiseração.
Vesti-me de forma elegante como se fosse para uma reunião ou uma entrevista. Pús uns saltos de 18cm para me dar confiança. O cabelo esticado e liso e as unhas pintadas de encarnado também me ajudaram a ter alguma auto-confiança e a enfrentar o dia de cabeça erguida.
À última da hora resolvi convidá-lo para almoçar. E ao contrário de há 6 anos, comemos antes e chegámos juntos. Foi simpático o almoço. Emborquei um copo de vinho tinto dos bons. Estava sol em Lisboa e a esplanada era uma das minhas preferidas.
Seguimos para a "cerimónia". À porta estava uma noiva. Um suspiro gigante que levava estalos da mãe por estar a chorar desalmadamente. "Mas tu vens para um casamento ou para um funeral?" Pimbas! E acentava-lhe na cara! Ainda pensei gritar: Run Forest, run! Ainda vais a tempo pá! Mas quero acreditar que as histórias com final feliz existem e eu sei que ainda vou ter a minha.
Tal como há 6 anos atrás, sentámo-nos lado a lado. Mas em posições invertidas. Desta vez fiquei à direita. A vida a ser irónica outra vez? Fruto do acaso possivelmente... 
Demos o sim. Mas desta vez não foi à união. Foi ao fim dela. Com um nó na garganta e as mãos húmidas... Não por não querer dar este passo... Mas por ver finalmente a coisa acabada. Deu o toque para a saída.  Arrumámos ali 6 anos de vida em comum na pasta, metemos a mochila às costas e seguimos com a vida. Ficam as memórias. Estranhamente ficam as melhores. Bom assim. Prefiro sentir algum carinho pela pessoa que me deu dois amores incondicionais. Porque afinal foi isso mesmo que aconteceu. Ele foi-se embora deixando-me dois amores incondicionais. Talvez tenha sido esse o propósito do nosso encontro. Se calhar pari um Presidente da República e uma Prémio Nobel da medicina. Vai-se a ver e estas crianças tinham mesmo de vir ao Mundo! Ainda bem que assim foi. Mesmo que daqui a uns anos afinal ele queira ser futebolista e ela advogada ou jardineira. Que se lixe! Quero é que eles sejam felizes. Mas quero sobretudo que eles não saiam magoados disto tudo. Que tenham orgulho nos pais e que compreendam tudo o que foi feito. E que apesar do casamento que os trouxe ao Mundo ter acabado, há memórias felizes do tempo em que os pais se amavam e desejaram que eles nascessem.
Quanto a mim, estou serena. Leve. Pode parecer mal dizer feliz. Mas acho que sim... Estou feliz...
Quanto a nós, somos amigos. Acho que ficou o carinho e o respeito. Mais agora até talvez... Espero que o tempo nos faça ser bons amigos.
A vida consegue ser irónica! Muito irónica. Mas depois vais a ver e quando juntas as peças, tudo faz sentido. E é assim que as coisas têm de ser!

20 comentários:

Pólo Norte disse...

Um forte abraço, Carolina.

Rita disse...

Posso encher isto de corações?!
❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️

Gloria Moutinho disse...

Li. Reli. E li alto para o meu companheiro. E chorei a ler-lho.
Gosto cada vez mais de a ler. De ver como consegue (tão bem) por em palavras o que sente.É muito bonito.
Obrigada por isso.
Um abraço e um sorriso

cbarradas disse...

Palavras bonitas.
Beijinho

Silvia de Oliveira disse...

Bonito.......

Jardim de Algodão Doce disse...

Meu Deus...vieram-me as lágrimas aos olhos. Eu acredito que nada acontece por acaso, tudo tem uma razão de ser! Desejo-lhe tudo de bom! E Continue a acreditar em finais felizes pff.

Paula disse...

Ainda bem que conseguiste passar por isso com essa serenidade.
Vais ver que a vida volta a sorrir!
vidademulheraos40.blogspot.com.

Só comigo disse...

Passei por algo parecido, sem filhos porém, foram 11 anos. Se doeu? Muito! Ajudou-me a distância, confesso, e hoje tenho um filho com outra pessoa. A vida dá muitas voltas e afinal sou feliz assim.
Muitos beijinhos.

Definitivamente São Dois disse...

Ai! Fiquei de lágrima no canto do olho! Revi o sentimento desse dia tão estranho em que se "arrumam" anos de uma vida a dois que acaba. Mesmo quando sabemos que é o que queremos, é sempre uma decisão penosa e que traz muitos dias penosos. Mas... Tudo passa! E um dia olhamos para trás e vemos apenas "outra vida"! Beijinho grande Carolina!! E um abracinho apertado! ❤️❤️❤️😘😘😘

Tia Cocas disse...

Excelente texto...li e reli e fiquei com as lágrimas nos olhos...mas parabéns pela serenidade com que descreve e passa pela situação...beijinho

Little*angel disse...

Muita força querida!


Beijinhos Mamã Babada

batatafritamae disse...

Olhar em frente que ainda tanto há para vir.
(nunca compreenderei esta malta agressiva que lava cabeças. Também tenho sempre pontaria)

Mum's the boss disse...

Estou de lágrima no olho... e feliz por ti, por vocês, pela maturidade como estão a gerir a coisa e pelo optimismo com que vês o futuro.
Queria dar-te um abraço real. Fica para Novembro, meu amor!

Uba disse...

Espero que essa maturidade, esse discernimento continue. Pelos exemplos que tenho, nem sempre o conseguem e as crianças acabam por ser joguete. E não apenas entre os pais, mas também restantes familiares.
Deixa que a vida te sorria, mas deixa mesmo. E sorri de volta.
Felicidades.

ML-As Maravilhas da Maternidade disse...

Que este seja o início de um novo ciclo, com o melhor a que tens direito, muitos beijinhos e continua linda!

Bailarina disse...

uma história linda! e sabes porquê? porque colocam os filhos acima de tudo, porque se respeitam e esse respeito vai passar para os filhos.
Tenho as lágrimas nos olhos mas estou cheia de esperança que a minha história de quase 6 anos tenha um final feliz

eucomplicotucomplicasnoscomplicamos disse...

Lindo...que a vida te sorria....

Bjo

CCC disse...

.

Filipa - minifeijao.blogspot.pt disse...

um abraço apertado :) és uma corajosa pela serenidade com que lidaste quando no fundo deve doer muitíssimo. Beijinho. Filipa Serrão

Kiki - Família de 3 e 1/2 disse...

Um grande beijo a todos os que passam por aqui e me deixam tantos mimos!
Gosto muito de vocês! :D